Clique e assine a partir de 9,90/mês

Guedes diz que é possível consertar decisão ‘não razoável’ de Bolsonaro

Ministro afirma, nos Estados Unidos, que presidente já disse não ser um especialista em economia e que uma conversa resolve tudo

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 13 abr 2019, 20h09 - Publicado em 13 abr 2019, 19h30

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou neste sábado, 13, que é possível consertar caso o presidente Jair Bolsonaro faça alguma coisa “que não seja razoável” na economia. “Uma conversa conserta tudo”, afirmou o ministro, em Washington, nos Estados Unidos.

A fala veio um dia após Bolsonaro admitir que interferiu no reajuste de preços do diesel, ao telefonar para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e pedir para cancelar o reajuste de 5,7%. As ações da companhia despencaram e a empresa perdeu 32,4 bilhões de reais em valor de mercado em um dia.

Na sexta-feira, Guedes sugeriu que não havia sido informado pelo presidente sobre a decisão. Hoje, após insistência de jornalistas, o ministro afirmou que Bolsonaro já disse que não é um especialista em economia e que o presidente deve ter se preocupado com efeitos políticos.

“O presidente já disse para vocês que ele não era um especialista em economia. Então, é possível que alguma coisa tenha acontecido lá. Ele, ao mesmo tempo, é preocupado com efeitos políticos. Estamos falando em greve de caminhoneiro, esse tipo de coisa. Então, é possível que ele esteja lá tentando manobrar com isso”, disse o ministro da Economia, após sair de evento do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Questionado, na sequência, sobre que tipo de mensagem o governo passa ao ceder rapidamente a uma demanda dos caminhoneiros, ele respondeu: “Eu vou me informar. E eu concordo com suas preocupações”. Segundos depois, já de dentro do carro, em frente ao FMI, o ministro chamou os jornalistas para complementar: “Ao mesmo tempo em que eu concordo com suas preocupações e indagações, eu acho que o presidente tem muitas virtudes. Fez muita coisa acertada, e ele já disse que não conhece muito economia. Se ele, eventualmente, fizer alguma coisa que não seja razoável, eu tenho certeza que nós conseguimos consertar. Uma conversa conserta tudo”.

Continua após a publicidade

A entrevista com Guedes foi feita enquanto o ministro caminhava, de maneira apressada, na saída do FMI. Ele evitou responder às primeiras perguntas sobre o tema. Questionado, por exemplo, se era contraditório que um governo com política econômica liberal tenha feito uma intervenção nos preços de combustível, ele retrucou: “Eu não vou dizer isso que você está pedindo”.

Guedes afirmou que as conversas nos Estados Unidos têm sido importantes para debater “como é que vão ser as coisas daqui para a frente no Brasil”. O ministro da Economia esteve em Nova York na quarta-feira e em Washington desde então, onde participa de reuniões e encontros com investidores, economistas e ministros de outros países.

“Nós estamos conseguindo reverter uma imagem ruim”, disse Guedes, que afirmou ter se reunido com “excelentes interlocutores”, como a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, com integrantes do Banco Mundial, Tesouro norte-americano, presidente do Federal Reserve e presidentes de bancos centrais.

“O Brasil vai progredir rapidamente em vários frontes. Aí tem uma notícia lá embaixo que eu não estava lá e não sei o que houve exatamente. Eu prefiro não comentar, só isso, eu prefiro me informar melhor. Evidente que houve um efeito ruim lá embaixo e estou preferindo trabalhar nos frontes onde eu consigo construir alguma coisa”, afirmou o ministro.

Ele disse que também teve conversas sobre a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Na visita de Bolsonaro aos EUA, o presidente americano, Donald Trump, se comprometeu com o endosso da candidatura do Brasil à organização, um pleito da equipe econômica.

Continua após a publicidade
Publicidade