Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Guedes demite Marcos Cintra, secretário da Receita entusiasta da CPMF

Cintra trabalhava em proposta de reforma tributária do governo; auditor fiscal José Ferraz Neto assume interinamente

Por Victor Irajá Atualizado em 11 set 2019, 18h03 - Publicado em 11 set 2019, 15h50

O ministro da Economia, Paulo Guedes, demitiu nesta quarta-feira, 11, o secretário de Receita Federal, Marcos Cintra. O ex-secretário vinha defendendo a adoção de um novo tributo sobre transações financeiras, cuja possibilidade de criação foi admitida por Guedes – uma reedição da extinta CPMF. O auditor fiscal José de Assis Ferraz Neto assume interinamente o cargo. Na edição desta semana, VEJA trouxe os planos do governo para o novo imposto, cuja alíquota começaria em 0,19% e, em dois anos, atingiria 0,67%. O governo confirma que trabalha em uma proposta de reforma tributária, mas afirma que o texto só será divulgado após o aval do presidente Jair Bolsonaro e do próprio ministro da Economia.

Alvo de críticas de especialistas, um novo imposto sobre pagamentos enfrentava resistência antes mesmo da apresentação da reforma tributária do governo. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já rechaçou publicamente a possibilidade de que a criação do imposto seja aprovado pelo Congresso Nacional. Em nota, o Ministério da Economia diz que “a proposta somente será divulgada depois do aval do ministro Paulo Guedes e do presidente da República, Jair Bolsonaro”. Nesta mesma manifestação, a pasta diz que “o ministro Paulo Guedes agradece ao secretário Marcos Cintra pelos serviços prestados”.

Segundo informação publicada pelo Radar, não foi só a CPMF que produziu a fritura que acabou derrubando, mas também a proteção dada por Cintra a fiscais que estariam agindo fora dos manuais para intimidar autoridades.

Cintra é defensor do imposto sobre pagamentos desde os anos 1980, quando o economista americano Edgar Feige introduziu o conceito em estudos feitos pela Universidade de Wisconsin. Durante a campanha, o presidente Jair Bolsonaro negou que a reedição de um imposto sobre pagamentos estivesse em seus planos de governo. “Votei pela revogação da CPMF na Câmara e nunca cogitei sua volta”, escreveu ele no Twitter em setembro de 2018. Agora presidente, Bolsonaro admitiu a criação do imposto. “Já falei para o Guedes: para ter nova CPMF, tem de ter uma compensação para as pessoas. Senão ele vai levar porrada até de mim”, declarou Bolsonaro na terça-feira 3, em um café da manhã no Palácio da Alvorada.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)