Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Guarulhos completa 30 anos ainda com a imagem de ‘bagulhos’

Mesmo privatizado, Cumbica tem a pior nota entre os demais aeroportos brasileiros avaliados pela SAC; melhorias podem levar até dez anos para serem incorporadas

Por Naiara Infante Bertão 20 jan 2015, 10h22

O Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Guarulhos (SP), completa 30 anos de operação nesta terça-feira. Na data que, para muitos, é sinônimo de crise de identidade, o maior aeroporto da América Latina está longe de conseguir superar seus problemas operacionais. Para muitos viajantes que decolam e aterrissam em seus terminais, apesar das melhorias pós-privatização, Guarulhos ainda é ‘bagulhos’.

Depois de quase dois anos em que sua administração foi entregue à iniciativa privada, é possível ver avanços, como as reduções nas filas de check in e o melhor aproveitamento do espaço. Mas alguns problemas operacionais ainda persistem. No último Relatório Geral dos Indicadores de Desempenho Operacional, a Secretaria de Aviação Civil (SAC), referente ao terceiro trimestre do ano passado, o aeroporto recebeu a menor pontuação em 20 dos 46 itens avaliados nos aeroportos de todo o país. Entre eles estão: tempo de fila da inspeção de segurança, painéis de informação de voos, cordialidade dos funcionários e integridade da bagagem. Não à toa, no índice geral, Guarulhos teve a pior nota entre os 15 aeroportos avaliados: 3,46 de 5,00 pontos máximos.

Leia também:

Construtoras planejam vender até estádios de futebol para fazer caixa

Novo ministro da Aviação quer que empresas privadas assumam aeroportos pouco lucrativos

Ainda que nos levantamentos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os indicadores apontem queda nos números de queixas em relação a Guarulhos, técnicos da Agência que pediram para ter seus nomes mantidos em sigilo afirmaram que os passageiros passam por uma situação de resignação em relação ao aeroporto. “Sabem que reclamar não tem adiantado muito. Por isso estão desistindo. São muitos anos de reclamações e as melhoras são apenas pontuais”, afirma uma das fontes.

Continua após a publicidade

Desde que a GRU Airport, concessionária vencedora do leilão em 2012 assumiu a gestão do aeroporto, a área de terminais dobrou, passando de 191.540 metros quadrados para 387.109 m2. A capacidade de passageiros saltou de 30 para 42 milhões por ano, a capacidade dos pátios de aeronaves elevou-se de 79 posições para 123 e os balcões de check in de 320 para 448. A concessionária, formada pela Invepar (51%) e a Infraero (49%) também ampliou seu espaço de estacionamento, de 3,9 mil para 8 mil vagas, e o número de lojas, de 102 para 239, o que aumenta sua capacidade de gerar receita.

Ao site de VEJA, o presidente da GRU Airport, Antonio Miguel Marques, disse que a percepção dos passageiros vai melhorar após as obras de modernização dos Terminais 1 e 2, locais que concentram os maiores fluxos de pessoas. “Temos certeza que os novos investimentos devem trazer ainda mais eficiência operacional e qualidade nos serviços prestados, o que impacta diretamente na sensação de conforto e segurança de nossos clientes”, afirma o executivo. A previsão é terminar no segundo semestre de 2016 a reforma nos dois terminais.

Leia mais:

Aviação regional é prioridade absoluta, diz novo ministro

Maior avião feito no Brasil deve voar no começo de 2015

Saltar de um serviço de baixa qualidade para outro de padrões internacionais é tarefa demorada, aponta Alexandre de Barros, ex-diretor da Anac e atual professor da Universidade de Calgary (EUA). “Alguns problemas persistem por serem inerentes ao projeto dos terminais existentes, mas esses só poderão ser resolvidos com uma reforma completa desses terminais, o que é um enorme desafio em um aeroporto saturado”, disse ao site de VEJA.

Estimativas do professor da área de infraestrutura aeroportuária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Respicio Espirito Santo, projetam que os clientes só experimentarão produtos e serviços de nível realmente superior a partir do 4º ou 5º ano de concessão. “Isso vale para todos os aeroportos e não apenas para Guarulhos. Este é o tempo aproximado que devem ficar evidentes as mudanças de pessoal, os equipamentos e tecnologias introduzidos, as novas infraestruturas construídas, a abertura de novas áreas comerciais e as parcerias firmadas com as empresas aéreas e novos stakeholders”, diz. Segundo ele, os grandes saltos de qualidade, eficiência e modernidade só devem estar totalmente amadurecidos no 10º ano de concessão. Ou seja, se tudo correr bem, Guarulhos só deixará de ser, realmente, ‘bagulhos’ em 2022.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)