Clique e assine a partir de 8,90/mês

Grupo Camargo Corrêa adquire 94% da portuguesa Cimpor

Por Da Redação - 20 jun 2012, 14h43

Lisboa, 20 jun (EFE).- O grupo Camargo Corrêa, por meio da InterCement, adquiriu 94,8% da cimenteira portuguesa Cimpor na oferta pública de ações (OPA) lançada no último dia 30 de março, anunciou nesta quarta-feira a Bolsa de Lisboa.

A Camargo Corrêa, que já possuía um terço das ações, investiu 1,035 bilhão de euros para multiplicar por três seu capital na companhia lusa, uma das dez maiores cimenteiras do mundo que tem instalações em 13 países da Europa, Ásia, América do Sul e África.

Além disso, através de operações de bolsa no mercado secundário, adquiriu outras 84,9 milhões de ações (12,64%), que representam 470 milhões de euro; por isso o investimento total na operação se situa em torno dos 1,5 bilhão.

A nova proprietária da Cimpor comprou a maior parte das participações lusas da estatal Caixa Geral de Depósitos (9,6%), Banco Comercial Português (10%) e Manuel Fino (10,7%), além de chegar a um acordo de permuta de ativos com a Votorantim Cimentos, que lhe outorgou outros 21,2%.

Segundo a permuta, a Camargo Corrêa se apoderará dessa percentagem da Votorantim ao transferir-lhe as unidades da Cimpor na China, Espanha, Índia, Marrocos, Tunísia, Turquia e Peru.

Continua após a publicidade

A Bolsa de Lisboa já anunciou que excluirá a Cimpor de seu principal índice, o PSI-20, no próximo dia 22 de junho, pois a Camargo Corrêa tem o poder de retirá-la do pregão luso.

Apenas 34,89 milhões de títulos da Cimpor, que representam 5,19% do capital, não foram vendidos na OPA.

Além disso, a percentagem dos direitos de voto controlados pela Camargo Corrêa é de 95,69% devido ao fato de cimenteira lusa tem 6,2 milhões de ações próprias.

O grupo com sede em São Paulo lançou em março uma OPA por todo o capital da Cimpor a um preço de 5,50 euros por ação, que representa um prêmio de 10% sobre a cotação da bolsa de final de março e avaliava a companhia em 3,7 bilhões de euros.

Em 2010, outra empresa brasileira, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), fracassou em uma OPA lançada sobre a própria Cimpor ao não conseguir pelo menos um terço das ações, apesar de ter oferecido 6,18 euros por ação.

A Cimpor, que ganhou no primeiro trimestre do ano 49 milhões de euros no período, 15,4% a menos que no mesmo período de 2011, tem um faturamento superior a 2 bilhões de euros. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade