Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Greve paralisa principais obras da Bahia

Por Gheisa Lessa

São Paulo – Cerca de 30 mil trabalhadores da construção pesada da Bahia entraram em greve nesta quinta-feira reivindicando melhorias nas condições de trabalho. De acordo com a Força Sindical do Estado, todas as obras do Estado estão paradas desde às seis horas de hoje.

Os trabalhadores se reuniram durante a manhã, em sua maioria, na Praça Fórum Ruy Barbosa, no Campo da Pólvora em Nazaré, próximo ao centro de Salvador. A paralisação afeta as principais obras do Estado, entre elas a Arena Fonte Nova, estádio que pretende receber jogos da Copa das Confederações, a construção da Via expressa, da Via Bahia, Polo Naval, Parques Eólicos, Ferrovia Leste/oeste e do Metrô.

Segundo a presidente da Força Sindical da Bahia, Nair Goulart, as obras envolvidas representam investimento de R$ 20 bilhões de 300 empresas além de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo.

De acordo com a Força Sindical, entre as principais reivindicações estãoreajuste de 13% do salário, 40 horas semanais, com trabalho de segunda a sexta-feira, planos de saúde e segurança do trabalho, pisos salariais unificados nacionalmente, pagamento de horas extras, cesta básica de R$ 250, entre outros.

Goulart afirma que o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada e Montagem Industrial da Bahia (Sintepav), negociam com o sindicato patronal há 70 dias e, como não houve acordo, foi decidido a greve. A data base de reajuste salarial era 1 de março, e, segundo a presidente da Força Sindical, para o reajuste acontecer ele terá que ser empregado com o retroativo.

Por volta das 11h30, havia terminado uma assembleia entre a Força Sindical e o sindicato patronal, na qual as empresas foram informadas que os trabalhadores recusaram a proposta sugerida. As empresas do setor sugeriram aumento salarial de 10% e cesta básica de R$ 160, segundo Nair Goulart. Os operários mantém a solicitação por aumento de 14% e cesta básica de R$ 220.

A Força Sindical informa que não há previsão de término da greve, mas que na tarde desta quinta pode acontecer uma nova negociação. Uma assembleia está marcada para amanhã, na Praça do Fórum Ruy Barbosa.