Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Greve não prejudica votação da Previdência, diz Moreira Franco

Segundo ele, se reforma não aprovada, governo enfrentará a mesma crise pela qual passa o Rio, que não tem dinheiro para pagar servidores e aposentados

Por Da redação 28 abr 2017, 17h40

O ministro Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência da República, descartou prejuízo ao processo de votação da reforma da Previdência por causa dos protestos e paralisações contrários às reformas trabalhistas e previdenciária que acontecem nesta sexta-feira (28) por todo país. Desde cedo, protestos convocadas por centrais sindicais e movimentos sociais acontecem em diversas partes do país.

“Há uma consciência muito forte de que é preciso que nós enfrentemos a questão da reforma da Previdência. Se não tomarmos alguma medida urgente, vamos ter no governo federal o mesmo quadro do Rio de Janeiro, onde temos visto drama e desespero de pensionistas e aposentados que não estão recebendo”, disse em entrevista à rádio CBN.

Questionado sobre se o governo não deveria convencer sua própria base da necessidade das mudanças na Previdência, já que o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, tem se colocado contrário às reformas, Moreira Franco disse que não responde a provocações do senador. O ministro ainda reforçou que a medida é importante para tirar o país da “maior crise econômica da história” e recuperar a capacidade de gerar empregos.

Lava Jato

Sobre a autorização do Supremo Federal Tribunal (STF) para investigar o seu envolvimento na Lava Jato, com base nas delações da Odebrecht, Moreira Franco disse que ainda não foi autorizada a abertura de inquérito, e sim que estão havendo levantamentos para ver se há necessidade de abrir inquérito.

Continua após a publicidade

Comissão de Ética

No caso da sindicância que foi aberta na Comissão de Ética da Presidência da República para investigar suas atitudes e dos ministros Eliseu Padilha e Gilberto Kassab, Moreira Franco argumentou que a investigação foi baseada em conjunto de suposições tirada de jornais.

“Uma comissão de ética deve manter sigilo das investigações, fazer apurações cautelosas. Essa decisão de abertura de sindicância foi tomada por notícias de jornais, com vazamento de informação. É uma demonstração cabal de que os princípios éticos não estão sendo respeitados”, criticou. Ele disse ainda que vai responder ao processo nos autos.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade