Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Grécia tem nova greve nos transportes contra reformas

Por Da Redação 27 set 2011, 09h28

Por Gabriel Bueno

Atenas – Os motoristas de ônibus e os condutores do metrô da Grécia cruzaram os braços hoje, provocando grandes congestionamento em Atenas pelo segundo dia seguido. Os funcionários da receita e do setor aduaneiro também se uniram aos protestos contra as reformas do governo prometidas em troca de um pacote de ajuda. Os funcionários da receita e de aduanas lançaram hoje uma greve de 48 horas contra cortes em seus salários.

Já a paralisação no sistema de transporte público, que incluía os bondes, resultou em alguns congestionamentos de quilômetros durante a hora do rush da manhã, quando a população tentava chegar ao trabalho. O tráfego em Atenas deve piorar amanhã, com paralisações previstas de todas as modalidades de transporte público e também dos taxistas.

A onda de protestos ocorre antes de o governista Partido Socialista enfrentar uma votação crucial no Parlamento, ainda hoje, sobre uma bastante criticada lei de imposto sobre propriedades. A Grécia prometeu aprovar a medida a seus credores internacionais, enquanto o país se mobiliza para receber mais ajuda financeira e evitar um calote.

No mês que vem, as duas principais centrais sindicais do país – GSEE, do setor privado, e Adedy, do público – também anunciaram paralisações do funcionalismo público, no dia 5 de outubro, e uma greve geral nacional, em 19 de outubro.

Pressionado por seus credores internacionais, o governo grego decidiu na semana passada implementar novos cortes em pensões, impor novos impostos para pessoas de renda mais baixa e colocar este ano 30 mil trabalhadores em uma reserva especial de trabalho, com salários reduzidos. Cortes nos salários do funcionalismo e outras medidas também estão sendo planejadas.

Em jogo está a parcela de 8 bilhões de euros de ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) que a Grécia precisa receber nas próximas semanas, ou o governo ficará sem dinheiro em meados de outubro. Os credores do país exigiram medidas adicionais de austeridade antes da liberação de mais auxílio. As informações são da Dow Jones.

Continua após a publicidade
Publicidade