Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Grécia surpreende credores e supera meta fiscal

Nos primeiros três meses deste ano, a Grécia registrou superávit primário de 508 milhões de euros, ante déficit de 334 milhões de euros no mesmo período do ano passado

Por Da Redação 10 abr 2013, 15h57

Os números do Orçamento da Grécia no primeiro trimestre de 2013, divulgados nesta quarta-feira, vieram melhores do que o esperado, segundo o vice-ministro de Finanças, Christos Staikouras. Tanto o resultado primário quanto o orçamento federal ultrapassaram as metas estabelecidas pela troika, trio de credores internacionais formado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia e Banco Central Europeu (BCE), em troca de ajuda financeira.

Nos primeiros três meses deste ano, a Grécia registrou um superávit primário de 508 milhões de euros, em comparação com a meta de déficit de 2,3 bilhões de euros estabelecida para o trimestre. No mesmo período de 2012, o país havia marcado um déficit real de 334 milhões de euros.

A Grécia também conseguiu diminuir seu déficit orçamentário para 1,4 bilhão de euros entre janeiro e março deste ano, bem menor do que o rombo de 7,3 bilhões de euros registrado nas contas públicas no primeiro trimestre de 2012. O resultado também representa uma melhora expressiva em relação à meta para o período estabelecida no acordo com a troika, de déficit de 4,2 bilhões de euros para os primeiros três meses de 2013.

Leia mais:

Economia da Grécia recuou 20% nos últimos quatro anos

Desemprego na Grécia recua pela primeira vez em cinco anos

“Os dados provisórios sobre a execução do Orçamento público nos primeiros três meses de 2013 mostram que a Grécia, com um trabalho duro mas também com alto custo social, continua sua trajetória indubitavelmente dolorosa mas necessária em direção à reforma, ajuste e disciplina fiscal”, disse o vice-ministro.

Ele acrescentou que a receita no primeiro trimestre do ano foi menor do que o mesmo período de 2012, conforme esperado, mas ainda ficou “acima da meta”. Segundo o ministro, houve queda na receita em várias categorias diferentes do imposto sobre valor agregado, bem como em certos impostos diretos, incluindo o imposto sobre tabaco e o imposto especial sobre produtos de energia.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade