Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Grécia se compromete a cumprir o prazo do FMI de 9 de abril

Há três semanas circulou nos corredores do Fundo Monetário Internacional um boato de que Atenas não seria capaz de cumprir com suas obrigações com seus credores

Por Da Redação 6 abr 2015, 09h56

A Grécia se comprometeu a pagar 460 milhões de euros que deve ao Fundo Monetário Internacional (FMI) até o dia 9 de abril, anunciou Christine Lagarde, a diretora-gerente do FMI, ao fim de uma reunião em Washington com o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis. “O ministro Varoufakis e eu trocamos nossos pontos de vista sobre a evolução dos acontecimentos atuais e acreditamos que uma cooperação eficaz é do interesse de todos”, disse Lagarde.

Há três semanas, um boato, alimentado por uma carta alarmista do primeiro-ministro grego Alexis Tsipras à chanceler alemã Angela Merkel em 15 de março, sugeria que Atenas não seria capaz de honrar a data limite de 9 de abril. Na carta, havia uma advertência de que o país poderia não cumprir os próximos pagamentos da dívida.

Leia mais:

Grécia alerta credores que ficará sem fundos a partir de 9 de abril

Merkel: Grécia tem que respeitar “cada parágrafo” de acordo com zona do euro

Atenas não recebeu os fundos restantes dos 240 bilhões de euros do pacote de resgate concedido pela União Europeia e o FMI, ao mesmo tempo em que Bruxelas exige um plano grego de reformas completo e revisado. A Grécia ofereceu um novo pacote de reformas na semana passada, na esperança de destravar os fundos remanescentes de seu programa de resgate, mas seus credores (União Europeia e FMI) ainda não aprovaram as propostas. As negociações entre Atenas e a UE estão em uma fase difícil.

De acordo com o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, o país tem de chegar a um esboço de acordo sobre o financiamento com seus credores até dia 24 de abril, quando será realizada a reunião de ministros das Finanças da zona do euro. Ao jornal Naftemporiki, Varoufakis disse que o novo governo, confrontado com um aperto de liquidez, quer que as negociações sejam concluídas “o mais breve possível”, mas que não vai aceitar termos que sufoquem a economia. “Não vamos condenar o país, como governos anteriores fizeram, a um sufocamento de longo prazo”, disse Varoufakis ao jornal.

Uma fonte com conhecimento do assunto disse à agência Reuters no mês passado que a Grécia tem fundos suficientes para até 20 de abril. Na opinião de economistas, declarar um calote de dívida como esta poderia ter consequências difíceis de calcular, ainda mais porque isso poderia motivar a expulsão da Grécia do zona do euro.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês