Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Grécia precisará de mais € 50 bilhões até 2018, diz FMI

Em relatório, entidade também reduziu de 2,5% para 0% previsão de crescimento do país este ano e piorou expectativas sobre a dívida pública

O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse que a Grécia precisará de pelo menos 50 bilhões de euros até 2018 para conseguir fechar suas contas. Em relatório, divulgado nesta quinta-feira, a entidade ressalta que mesmo que o país aprove o plano dos credores, que será submetido a referendo no próximo domingo, Atenas terá uma necessidade de um reforço financeiro adicional nos próximos três anos. Do total estimado, 36 bilhões de euros seriam financiados com recursos europeus. Na última terça-feira, a Grécia deu um calote de 1,6 bilhão de euros na entidade.

O FMI também reduziu as previsões de crescimento econômico para a Grécia este ano de 2,5% para 0% e piorou suas perspectivas sobre a dívida. Anteriormente, o fundo previa uma tendência de recuperação dos atuais 175% do Produto Interno Bruto (PIB) para 128% em 2020, e que agora vê 150%.

No documento, o fundo classifica a dívida da Grécia como “insustentável” e assegura que a situação piorou desde a chegada ao governo do esquerdista Alexis Tsipras, porque os objetivos fiscais foram alterados, e a aplicação de reformas estruturais, adiada. “Mudanças muito significativas nas políticas e na perspectiva desde o início do ano provocaram uma alta substancial das necessidades de financiamento”, acrescentou.

Leia mais:

Eurogrupo só vai retomar negociações com a Grécia depois do referendo

Grécia dá calote no FMI. E agora?

Grécia – Em resposta, o porta-voz do governo grego, Gavriil Sakellaridis, afirmou acreditar que o relatório do FMI dá razão ao governo grego, por considerar que a dívida da Grécia não é sustentável. “O relatório de FMI de hoje dá completamente razão ao governo grego com relação à não sustentabilidade da dívida e a sua insistência de que todo acordo com os credores deve incluir sua reestruturação”, comentou.

(Com agência EFE)