Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Grécia pode precisar de novos empréstimos, diz FMI

Ajuda pode ser dada também em forma de perdão de dívida e redução da taxa de juros de empréstimos

Por Da Redação 18 jan 2013, 17h00

A Grécia pode precisar de mais favores financeiros de seus parceiros europeus, mesmo na forma de empréstimos subsidiados ou ainda perdão de dívidas, disse o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta sexta-feira. Isso seria necessário para que a enorme dívida pública do país retorne a níveis sustentáveis, a despeito do que já tem sido feito para aliviar os indicadores de endividamento.

Em sua mais recente revisão do programa de empréstimos da Grécia, o FMI disse que as recentes medidas de alívio não restauraram totalmente a sustentabilidade da dívida da Grécia. Para melhorar o quadro, o FMI sugere que haja alguma combinação de um corte de dívida e redução adicional das taxas de juros sobre os empréstimos.

Ainda segundo o órgão internacional, se o país não conseguir, com as atuais medidas de austeridade, resolver os problemas econômico-financeiros, a Grécia precisará de um alívio adicional da dívida. Nesse cenário, poderiam ser feitas transferências bancárias entre 2013 a 2020 de aproximadamente de 6 bilhões de euros (8 bilhões de dólares). Além disso, Atenas poderia pagar por essa ajuda taxas de juros próximas a zero a credores e ainda receber empréstimos por meio da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, em inglês), o fundo de resgate temporário da zona do euro.

Leia também:

Grécia precisa resistir a pressões para evitar falência, diz ministro

Grécia não faz o suficiente contra sonegadores, dizem UE e FMI

Continua após a publicidade

O Fundo disse que a combinação da recente recompra de bônus pela Grécia – que cortou 20,6 bilhões de euros de sua dívida – com economias de taxas de juros menores e períodos mais prolongados de pagamento dos empréstimos atuais vão reduzir a dívida do país em 16% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2020, mas isso “não é o suficiente para restaurar a sustentabilidade da dívida”.

As medidas recentes levarão a dívida da Grécia para 128% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, acima dos níveis estabelecidos como sustentáveis pelo FMI e credores em dezembro. A zona do euro se comprometeu em cortar a dívida em 1,4% do PIB em 2014 e adotar medidas extras em 2015 para levar a dívida grega para 124% do PIB em 2020 e abaixo de 110% do PIB em 2022.

O FMI aprovou na quarta-feira um adiamento de um pagamento de empréstimo de 3,3 bilhões de euros à Grécia.

Leia ainda:

Grécia receberá ajuda de 34,3 bi de euros

Por que o mundo teme a saída da Grécia do euro

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês