Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Governo vai aumentar mistura de etanol à gasolina para 27%

Mudança entrará em vigor em 15 de fevereiro. Medida, contudo, não agrada tanto à indústria automobilística, pois boa parte da frota ainda usa apenas gasolina

Por Da Redação 2 fev 2015, 12h58

A mistura de etanol anidro à gasolina passará de 25% para 27%, informou nesta segunda-feira a presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, após reunião na Casa Civil, no Palácio do Planalto. Demanda antiga do setor sucroalcooleiro, a medida deverá entrar em vigor a partir de 15 de fevereiro. A elevação da mistura tem sido amplamente debatida desde o ano passado. Em setembro, a presidente Dilma Rousseff já havia sancionado uma lei que prevê o aumento da mistura de etanol à gasolina até o limite de 27,5%. O governo realizou nos últimos meses testes para avaliar a viabilidade técnica da nova mistura.

Leia também:

Queda do preço do petróleo traz risco para produtores de etanol do Brasil

Etanol sobe 5% na esteira do reajuste da gasolina

Setor de etanol enfrenta pior crise em 30 anos

“Os testes não mostraram nenhum problema para o aumento da mistura para 27,5%. Mas a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) ainda tem uma parte dos testes que não terminou. Então para dar segurança para o consumidor dos carros importados, a Unica concordou em elevar a mistura para 27% a partir de 15 de fevereiro”, disse Elizabeth ao deixar o Palácio do Planalto. A indústria automobilística vinha se mostrando contrária a uma mistura maior que os atuais 25%, argumentando que boa parte da frota ainda usa apenas gasolina e não estaria tecnicamente preparada.

A mudança, por outro lado, foi fortemente defendida pelas empresas de açúcar e etanol como forma de aliviar a crise do setor. O etanol anidro é um dos produtos com melhor remuneração das usinas. O setor sucroenergético foi favorecido recentemente pelo aumento dos impostos para a gasolina, que a Petrobras decidiu repassar integralmente aos preços nas refinarias. Com a gasolina mais cara, as usinas também podem elevar os preços do etanol hidratado, usado diretamente nos carros.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês