Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Governo tenta recuperar comércio com Argentina

Será lançada uma linha de crédito para garantir aos importadores argentinos variação do dólar por um período mínimo de 90 dias

Por Da Redação 2 abr 2014, 13h13

A estreia da linha de crédito para restabelecer o comércio Brasil-Argentina e a “gestão política” de bastidores para garantir os pagamentos da Venezuela às exportações nacionais são as apostas do governo para recuperar o fluxo comercial com os dois principais parceiros na América Latina. A primeira operação da nova linha deve ser realizada, ainda em abril, por uma montadora de automóveis, o setor mais interessado na retomada do fluxo comercial bilateral.

No primeiro trimestre do ano, houve sensível piora no comércio com a Argentina. As vendas ao vizinho recuaram 14,4% e as compras, 22,3%, na comparação com março de 2013. Ainda assim, o Brasil teve superávit de 300 milhões de dólares em três meses. Nas duas mãos, os produtos mais afetados foram automóveis, autopeças, motores e veículos de carga. A ênfase, por isso, está no automotivo.

A linha garantirá aos importadores argentinos a variação do dólar por um período mínimo de noventa dias, ao prever uma proteção cambial (hedge) do governo local. Aos exportadores nacionais, o acordo garantirá esse período como um prazo de pagamento. “O mais difícil era a questão cambial. Começamos a equilibrar o jogo”, disse uma fonte. “Agora, a tendência é de reversão”. Além disso, o bancos centrais dos parceiros negociam um acordo para reforçar o sistema de pagamento em moedas locais, mecanismo que amplia a “folga cambial” à Argentina. “Temos as melhores expectativas. E continuamos negociando em outras frentes”, afirmou a fonte.

Leia também:

Brasil dará crédito para importação da Argentina

Dilma toca o samba da diplomacia doida

Brasil pode perder US$ 2 bilhões com crise argentina

Pagamentos – Na convulsionada Venezuela, onde o governo Dilma Rousseff é criticado por inação política, as gestões brasileiras “criaram condições” para uma retomada dos pagamentos, diz a fonte. “Os dados já começaram a melhorar. Ainda estamos calibrando isso.” Nos bastidores, ministros negociaram com os venezuelanos para evitar prejuízos às empresas nacionais pelo corte no fluxo comercial. Mas o trimestre foi desfavorável ao comércio bilateral. Houve recuo de 5,8% nas exportações daqui para lá. E as importações encolheram 8,5%. O Brasil registrou um superávit de 599 milhões de dólares com a Venezuela – em 2013, o saldo havia sido de 618 milhões de dólares.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade