Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo se inspira no petróleo para cobrar royalties de minas de ferro

Planalto tem se reunido com estados e estuda implementar modelo semelhante de cobrança de exploração de minerais

O governo tem realizado reuniões com representantes de estados produtores de minerais para apresentar e discutir o texto do marco regulatório da mineração, afirmou nesta quarta-feira o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. “O código está em fase final de elaboração”, afirmou o ministro em Brasília.

O governo estuda implementar royalties mais elevados em regiões com maior nível de produção, como em Carajás, no Pará, onde a Vale explora uma das maiores jazidas de minério de ferro do mundo.

O modelo seria semelhante ao que já ocorre no setor de petróleo, com a cobrança de participações especiais sobre campos com grande produtividade.

Também entrou na discussão a possibilidade de royalties flexíveis sobre a exploração mineral, de maneira que, quando os preços de um determinado mineral ou metal suba expressivamente, a alíquota de royalty também aumente.

Leia também:

A maldição do petróleo: mudança nos royalties deixa à míngua municípios beneficiados por 20 anos de fartura

O caminho dos royalties depois da caneta de Dilma

Além dos Estados produtores, o governo tem se reunido com representantes da iniciativa privada para a finalização do novo marco da mineração.

Um dos objetivos do governo brasileiro com a nova legislação é mudar o critério de aquisição de concessões minerárias, com a criação de leilões para áreas consideradas estratégicas. Até então, quem solicitava a outorga primeiro conseguia a licença, provocando filas nos escritórios do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) espalhados pelo país.

Outras medidas que podem constar do texto a ser enviado ao Congresso Nacional são a fixação de prazos exploratórios e a criação de uma agência reguladora para o setor, tal como no setor de petróleo.

(Com agência Reuters)