Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo registra o pior resultado fiscal para agosto em 18 anos

Confirmando o quadro de deterioração fiscal do país, governo central registrou o quarto déficit primário seguido, de R$ 10,4 bilhões

Por Da Redação
30 set 2014, 10h22

(atualizado às 11h45)

O governo central, composto pelas contas do Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, terminou o quarto mês seguido sem conseguir economizar receita para pagar os juros da dívida. Em agosto, registrou um déficit primário de 10,42 bilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta terça-feira. É o pior resultado fiscal para meses de agosto em dezoito anos. Segundo a série histórica do Tesouro Nacional, que começa em 1997, foi a primeira vez que o governo central teve resultado negativo em um mês de agosto.

O resultado veio pior do que as expectativas de analistas, que projetavam um resultado negativo de cerca de 9,5 bilhões de reais. No acumulado do ano, a economia feita para o pagamento de juros ficou positiva em apenas 4,68 bilhões de reais, ou 0,14% do Produto Interno Bruto (PIB). A meta era de uma economia de 39,22 bilhões de reais. O valor acumulado no ano é 87,8% menor que no mesmo período de 2013, quando foram economizados 38,42 bilhões de reais (ou 1,22% do PIB).

Com o resultado de agosto, fica praticamente impossível o cumprimento da meta de superávit primário para 2014, que é de 80,77 bilhões de reais, ou 1,55% do PIB. Isso porque o governo teria de economizar em quatro meses 76,1 bilhões de reais a mais do que conseguiu fazer em oito meses.

Continua após a publicidade

Receitas e despesas – Em agosto, a arrecadação do governo caiu 6,4% na comparação com julho, ficando em 82,47 bilhões de reais. A queda ocorreu mesmo após a ajuda dos 5,4 bilhões de reais em dividendos pagos pelas estatais, sobretudo pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Caixa Econômica Federal, e pelo recebimento de 7,13 bilhões de reais do parcelamento de débitos tributários (Refis). No acumulado do ano, as receitas líquidas somam 661,75 bilhões de reais até agosto, com alta de 6,4% sobre igual período de 2013.

O Tesouro informou ainda que as despesas atingiram 92,89 bilhões de reais em agosto, com alta de 2,9% frente ao mês anterior. De janeiro a agosto, elas somaram 657,08 bilhões de reais, 12,6% acima de igual período de 2013.

Leia mais:

Gastos de brasileiros no exterior sobem 2% em maio

​Itaú reduz projeção para o superávit primário

Em doze meses – O superávit primário do governo central acumulado em doze meses caiu para 43,3 bilhões de reais, o equivalente a 0,9% do PIB. Em agosto de 2013, o superávit em doze meses estava em 73,1 bilhões de reais, ou 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB).

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.