Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo reduz meta de inflação para 3,75% em 2021

CMN diz que 'o regime de metas ganhou maturidade que permite avançar na obtenção de taxas de inflação mais baixas de forma sustentável'

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou nesta terça-feira 26 resolução que fixa a meta para a inflação de 2021 em 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,50 ponto porcentual para mais e para menos – ou seja, podendo variar de 2,25% a 5,25%.

Com essa decisão, o CMN define uma meta menor que a fixada para 2019 e 2020, de 4,25% e 4%, respectivamente. A meta inflacionária de 2018 é de 4,5%.

Em nota, o CMN diz que a “percepção de que a economia brasileira pode conviver com taxas de inflação mais baixas de forma sustentável se manifesta nas expectativas dos analistas de mercado, coletadas pela pesquisa Focus, conduzida pelo Banco Central, cuja mediana se situa em torno das metas estabelecidas para 2019 e 2020, de 4,25% e 4,00%, respectivamente”.

“Essa perspectiva da inflação foi beneficiada pelo redirecionamento da política econômica e pela adoção de reformas e ajustes que, combinados com a condução da política monetária, permitiram reancorar as expectativas de inflação”, afirma o conselho.

Segundo o CMN, “a decisão representa mais um passo para a obtenção, de forma sustentável, de taxas de inflação mais baixas na economia brasileira”.

“Passados dezenove anos de implantação, o regime de metas ganhou maturidade que permite avançar na obtenção de taxas de inflação mais baixas de forma sustentável. A adoção de uma abordagem gradual, combinada com a presença de expectativas de inflação ancoradas, fazem com que esse processo ocorra de forma suave e sustentada.”