Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Governo quer que contribuintes paguem dívida de distribuidoras em 3 anos

Intenção é diluir até 2017 reajuste na luz por socorro de R$ 11,2 bilhões a distribuidoras e não mais até 2016

Por Da Redação 30 jul 2014, 16h14

O governo federal pretende diluir em três anos, e não mais em dois, o reajuste na conta de luz para pagar o empréstimo bancário feito para as distribuidoras de energia, disse nesta quarta-feira o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, à rádio CBN. A ideia do governo, segundo ele, é reajustar a conta de luz em 2,6% em 2015, em 5% no ano seguinte e em 1,4% em 2017.

Até agora, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) disse que o aumento da tarifa para pagar o empréstimo bancário tomado pelas distribuidoras, de 11,2 bilhões de reais, ocorreria nos próximos dois anos, em 2015 e 2016. A diluição do reajuste por um prazo maior reduzia o impacto do aumento da tarifa de luz na inflação, em um momento que a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), encontra-se sob pressão e perto do teto da meta do governo, de 6,5% ao ano.

O pagamento da dívida das empresas referente aos gastos de maio foi adiado duas vezes, primeiro para o dia 31 de julho e agora para dia 30 de agosto. Tudo para a equipe do governo ganhar tempo para levantar outros 6,5 bilhões de reais em socorro às distribuidoras. A negociação para o financiamento adicional está levando mais tempo do que se imaginava.

Ajuda – O socorro às distribuidoras está sendo necessário por dois motivos. Primeiramente devido ao acionamento de térmicas, cuja energia é mais cara, para atender à demanda por eletricidade, diante do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas neste ano. Em paralelo, as distribuidoras não conseguiram contratar toda a energia que precisavam nos leilões do ano passado e deste ano e, por isso, precisam completar esse déficit de oferta e demanda comprando energia no mercado à vista, também mais caro. Em menos ou mais tempo, a despesa será paga pelo consumidor brasileiro.

Leia mais:

Ajuda às elétricas deve aumentar conta de luz em 8 pontos porcentuais em 2015

Novo leilão de energia vai disponibilizar 26,3 mil megawatts ao sistema

Governo deve desembolsos R$ 7,4 bi ao setor elétrico

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)