Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 para 2022

Segundo dados da LDO para 2022, projeção prevê alta de 4,3%, apenas a recomposição pela inflação e sem aumento real

Por Larissa Quintino Atualizado em 17 abr 2021, 03h28 - Publicado em 15 abr 2021, 15h57

O atraso na resolução do Orçamento de 2021 é ainda mais flagrante quando a discussão para 2022 começa. O Ministério da Economia apresentou nesta quinta-feira, 15, o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que, por regra, tem o dia 15 de abril do ano como data limite. No texto, o governo propoõe um salário mínimo de 1.147 reais para o próximo ano. 

O valor, que é 47 reais maior que o piso nacional desse ano, significa um ajuste de 4,30%, em previsão do INPC para o ano, segundo a última estimativa feita em março. Desde 2020, o mínimo não tem aumento real, apenas a correção da inflação. Por lei, o mínimo precisa recompor o poder de compra da população.

A LDO não leva em consideração a diferença de 2 reais de defasagem no salário mínimo de 2021. Como o reajuste é feito antes do resultado oficial da inflação — acontecendo no 1º dia do ano, enquanto que o INPC é divulgado na segunda semana de janeiro — é comum haver uma defasagem. Em 2020, a diferença de 6 reais foi corrigida no mês seguinte. Neste ano, porém, os dois reais ficaram de lado.

O salário mínimo, além de reger o piso nacional de contratações, também é base para diversos benefícios do governo, como aposentadorias, pensões e benefícios assistenciais. Para os anos seguintes, o governo propôs um salário mínimo de 1.188 reais em 2023 e de 1.229 reais em 2024. Esses valores são apenas uma referência, e podem ser alterados posteriormente.

De acordo com cálculos do governo, a cada 1 real de aumento no salário mínimo, a despesa aumentava 315 milhões de reais. Um aumento de R$ 47, portanto, representa uma despesa extra de quase 15 bilhões no orçamento.

Diretrizes

O Ministério da Economia propôs uma meta de déficit primário de até 170,473 bilhões de reais para 2022, segundo a LDO. O déficit primário indica quanto o governo deve gastar acima da arrecadação do ano, sem contar as despesas com a dívida pública. Se confirmada a meta, 2022 será o nono ano consecutivo com rombo nas contas do governo, que vêm registrando resultados negativos desde 2014.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)