Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo prepara cartilha sobre economia de energia para a população

Apesar de descartar extensão do horário de verão, Executivo também vai cortar consumo em prédios públicos

Apesar de continuar descartando um racionamento de energia, o governo federal decidiu nesta quarta-feira que vai elaborar uma cartilha para ensinar os consumidores a reduzir o consumo energético. As recomendações devem ser publicadas na internet. “Vamos abrir para todo e qualquer cidadão que quiser fazer adesão a um guia desenvolvido por técnicos e que já está testado em laboratórios para ter uma economia de 30% no uso da energia”, disse o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, após reunião com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto.

As dicas de economia são fruto de um guia elaborado pelo Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel) e pela Eletrobras. O governo também deve divulgar orientações para a redução no consumo de água.

Leia também:

Dilma antecipa reunião sobre medidas no setor elétrico

Como parte das medidas para reduzir o consumo energético, o Ministério do Planejamento também elaborou uma portaria com novas regras para que todos os prédios públicos federais reduzam o consumo de energia em aproximadamente 30%. As determinações devem ser publicadas no Diário Oficial desta quinta.

O governo ainda determinou que vai ampliar a compra de energia elétrica de consumidores que possuam geradores de energia e queiram oferecer o excedente ao sistema elétrico. O objetivo é adquirir 300 megawatts adicionais por mês e, assim, reduzir a sobrecarga do sistema. “Serão implantados medidores àqueles consumidores que quiserem aderir ao programa”, disse Eduardo Braga. Ele afirmou que a medida não vai resultar em aumento da tarifa.

Leia também:

ONS considera redução de até 10% para garantir abastecimento

Por outro lado, o governo descartou estender o horário de verão. Dessa forma, os relógios devem ser atrasados em uma hora no dia 22 de fevereiro. “Parte do Brasil ficaria com parte da manhã escura e nós teríamos consumo de energia”, explicou Braga.