Clique e assine a partir de 8,90/mês

Governo planeja leiloar um trecho de rodovia por vez

Objetivo é evitar o que ocorreu na semana passada, quando o setor privado concentrou-se no trecho da BR-050 e deixou a BR-262 de lado

Por Da Redação - 16 set 2013, 20h56

O ministro dos Transportes, César Borges, anunciou nesta segunda-feira que o governo vai leiloar as rodovias em sessões únicas. A decisão veio depois do fracasso da tentativa de concessão da concessão de trecho da BR-262, entre o Espírito Santo e Minas Gerais. Borges esteve reunido com a presidente Dilma Rousseff e a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, no Palácio do Planalto.

Ao término do encontro, Borges evitou falar em motivos para a desistência do setor privado da disputa da BR-262, mas afirmou que alguns empresários chegaram a comentar que não conseguiram fazer estudos aprofundados sobre o trecho por estarem concentrados na BR-050, entre Goiás e Tocantins, que teve oito consórcios interessados. “O setor se debruçou na BR-050 e pode ter faltado tempo para analisar devidamente as condições da BR-262. Se for o caso, podemos abrir um novo prazo para apresentação de propostas”, disse Borges. Ele, no entanto, frisou que o governo ainda não tem decisão sobre o futuro da BR-262.

Leia ainda: Bancos públicos participarão de concessões de rodovias

Governo eleva aporte em rodovias privatizadas para baratear pedágios

O ministro dos Transportes evitou criticar a bancada capixaba no Congresso. Os parlamentares do Espírito Santo defendem que as obras da BR-262 no Espírito Santo sejam executadas dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o que evitaria cobrança de pedágio. “A bancada capixaba precisa decidir se confia ou não no DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte). Por um lado, dizem que existe um chamado ‘risco DNIT’ — receio de que as obras não fiquem prontas — e, por outro, defendem que o órgão realize, totalmente, as obras”, disse.

Continua após a publicidade

Borges defendeu o modo da concessão dessas rodovias e afirmou que os cálculos do valor do pedágio, do investimento necessário, da demanda projetada e da taxa de retorno dos investidores foram feitos adequadamente. Ele ressaltou que tudo que for considerado e comprovado como uma dificuldade à licitação dessa rodovia “será removido”. Mesmo com a separação dos trechos rodoviários em leilões independentes, Borges acredita que o governo conseguirá concluir essas licitações até o fim do ano, porque o prazo entre um leilão e outro poderá ser menor. “No máximo, a disputa pela BR-116 pode ficar para o começo de 2014, mas vamos trabalhar para concluir tudo até dezembro.” No cronograma do governo, após a BR-050, a próxima licitação envolve o trecho baiano da BR-101, com leilão previsto para 23 de outubro.

Leia também:

Governo indica seis rodovias federais para privatização

Investidores entregam propostas para leilão de rodovias nesta sexta

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade