Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo lança pacote para estimular economia

Por Tiago Pariz e Leonardo Goy

BRASÍLIA (Reuters) – Com o objetivo de não deixar a crise internacional esfriar ainda mais a economia brasileira, o governo anunciou nesta quinta-feira uma série de medidas para estimular os investimentos e o consumo. Elas envolvem tanto desonerações fiscais no setor produtivo, como produtos da linha branca, quanto o mercado financeiro.

“Este ano tivemos alguma desaceleração e estamos dando uma aquecida na economia, agora que a inflação esta sob controle, de modo que possamos entrar 2012 com a economia acelerando, crescimento alto, de 4,5 a 5 por cento”, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista coletiva. “Vamos continuar estimulando o investimento.”

Entre as ações tomadas agora, estão a redução de 2 por cento para zero da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de investimentos estrangeiros em ações na bolsa, além de cortar de 3 para 2,5 por cento a alíquota do IOF que incide sobre o crédito a pessoas físicas.

O governo também está estimulando o setor produtivo com reduções das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Na linha branca, para os fogões, elas cairão de 4 por cento para zero, enquanto que para os refrigeradores e congeladores, de 15 para 5 por cento.

Segundo Mantega, essas medidas valem para estoques que estão nas lojas até 31 de março.

O setor de alimentos também foi beneficiado, com redução de Pis/Cofins para as massas de 9,25 por cento para zero. O benefício vale até o dia 30 de junho de 2012.

Ao todo, a renúncia fiscal ficará de pelo menos 1 bilhão de reais em 2012 todo.

DE OLHO NA INFLAÇÃO

Apesar dos estímulos, Mantega afirmou que a inflação não será pressionada e que os juros tenderão a continuar caindo. Na véspera, o Banco Central (BC) reduziu a Selic em 0,50 ponto percentual, para 11 por cento ao ano.

Além disso, Mantega afirmou que o governo mantém os compromissos fiscais assumidos, alertando para os gastos de consumo do governo.

O mercado recebeu bem as medidas e acredita que elas ajudarão a estimular a atividade. Mas alerta para pressões inflacionárias no longo prazo.

“Lógico que vai ter efeito (no crescimento)… Este é o perigo, o governo se entusiasmar e levar esta questão de estimular demanda doméstica muito longe”, afirmou o economista-chefe da Raymond James, Mauricio Rosal.

(Reportagem adicional de Luciana Lopes, em São Paulo)