Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Governo grego desiste de referendo sobre resgate financeiro

Por Da Redação - 3 nov 2011, 16h59

Atenas, 3 nov (EFE).- O ministro das Finanças grego, Evangelos Venizelos, anunciou nesta quinta-feira, em nome do Governo, que não será realizado um referendo sobre o segundo plano de resgate financeiro à Grécia pactuado com a zona do euro, como tinha proposto na segunda-feira o primeiro-ministro, Giorgos Papandreou.

‘O Governo anuncia de forma oficial que não levará adiante o referendo’, declarou o ministro em um discurso aos parlamentares do partido governista Pasok, transmitido em rede nacional de televisão.

Venizelos, que mantinha divergências com Papandreou sobre a conveniência de convocar o referendo, considerou positivo enviar uma mensagem à Europa de que não haverá referendo, pois isso possibilita o cumprimento do acordo estabelecido no dia 26 de outubro entre Atenas e a zona do euro, que exige, em contrapartida, mais medidas de austeridade do Governo grego.

A Grécia, acrescentou o ministro, deve ter um Governo estável, um sistema bancário seguro e agir rápido para obter resultados claros e, consequentemente, receber os 8 bilhões de euros do sexto lote de empréstimos do primeiro plano de resgate ao país.

Publicidade

‘A situação crítica exige que se consigam 180 cadeiras (três recrutas) no Parlamento para aprovar o acordo de 26 de outubro’, disse Venizelos, em referência à última cúpula de líderes da zona do euro, quando foi pactuado o segundo plano de resgate financeiro à Grécia, além de um perdão de 50% da dívida do país com credores privados.

No mesmo fórum, Papandreou não descartou explicitamente a convocação de um referendo, ao manifestar que seu Governo (do partido socialista Pasok) é que ficará a cargo da decisão final sobre a realização da consulta popular.

‘Realizar um referendo ou não é nossa decisão. Pode ser que estejamos sob a supervisão financeira (internacional), mas as decisões são tomadas no Parlamento e no Governo’, exclamou Papandreou, que se encontra sob forte pressão para formar um Governo de coalizão nacional, diante da incerteza sobre a moção de confiança prevista para ser votada nesta sexta-feira.

Pouco antes, o próprio Papandreou tinha dito em comunicado que, devido ao anunciado apoio da oposição conservadora, já não era necessário realizar a controvertida consulta popular, algo que não voltou a dizer em seu discurso no Parlamento.

Publicidade

No entanto, perante os deputados de seu partido, ele disse que o inesperado anúncio de referendo foi um ‘golpe positivo e beneficente’, referindo-se à repentina disposição da oposição conservadora do partido Nova Democracia de dialogar com o Governo sobre um apoio ao pacote de resgate.

De qualquer maneira, Papandreou advertiu que antecipar as eleições, como exige a Nova Democracia, seria ‘uma catástrofe’ para a Grécia devido aos riscos decorrentes dos problemas financeiros do Estado. O primeiro-ministro pediu a seus parlamentares que votem a favor do Governo na moção de confiança desta sexta-feira.

‘Amanhã é um dia importante para o futuro do país. Devemos pôr o interesse do país acima do pessoal’, disse Papandreou, cuja maioria parlamentar se reduziu a 151 deputados – do total de 300 que compõem o Parlamento unicameral grego -, além da ameaça de vários deputados socialistas de não apoiá-lo.

‘Quero ser franco com vocês. Se não cumprirmos nossas obrigações, a saída do euro é uma possibilidade’, advertiu o premiê em tom dramático.

Publicidade

Em relação ao segundo plano de resgate, de 130 bilhões de euros, decidido na semana passada durante a cúpula de líderes da zona do euro, Papandreou elogiou o acordo, considerou-o sustentável e disse que ele abre oportunidades para a Grécia.

O chefe de Governo grego destacou ainda que a cúpula também decidiu perdoar metade da dívida pública da Grécia por parte dos credores privados, enquanto o país receberá 130 bilhões de euros adicionais.

Graças a esta ajuda, a partir de 2012, o pagamento de juros da dívida grega diminuirá em 5 bilhões de euros anuais, ressaltou Papandreou em seu discurso, que durou cerca de 45 minutos.

Na reunião do grupo parlamentar do Pasok, a deputada e ex-dirigente europeia Vasso Papandreou acusou o primeiro-ministro de ‘estar fora de momento e espaço’. ‘A imagem do Governo em Cannes (França) foi lamentável. Esperamos imediatamente que se forme um Governo de salvação nacional’. EFE

Publicidade