Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Governo garante oferta de hotéis até a Copa

Segundo relatório do Ministério do Turismo, 12 cidades que receberão jogos do mundial terão mais 109 meios de hospedagem, como hotéis, resorts, pousadas, hotéis e albergues

Por Da Redação 5 abr 2013, 12h35

O governo federal garante que, até o início da Copa do Mundo, em junho de 2014, as 12 cidades que receberão jogos do mundial terão prontos 109 novos meios de hospedagem, como hotéis, resorts, pousadas, hotéis e albergues. Com isso, serão ofertados 19.036 quartos a mais na rede hoteleira para atender a demanda extra que será produzida pelo evento esportivo.

Os dados fazem parte de levantamento inédito realizado pelo Ministério do Turismo, obtido com exclusividade pelo jornal O Estado de S. Paulo. Hoje, as 12 cidades-sede contam com 5.510 meios de hospedagem, universo que deve subir para 5.619 locais caso todos os previstos pelo governo federal efetivamente saiam do papel. Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as 12 cidades têm, hoje, 567,1 mil leitos.

Leia mais: Reforma do hotel de Eike não deve estar pronta antes da Copa

O aeroporto da Copa que ainda não saiu do chão

Aeroporto de Natal: a 15 meses da Copa, 85% da obra está por fazer

Segundo o secretário executivo do Ministério do Turismo, Valdir Simão, a oferta de hospedagem será capaz de atender a chegada dos turistas previstas pelo governo. De acordo com estimativa oficial, cerca de 600 mil turistas estrangeiros e outros 3,1 mil turistas brasileiros vão visitar as 12 cidades-sedes na Copa do Mundo no ano que vem.

“Metade dos turistas brasileiros e quase um terço dos estrangeiros vão se hospedar na residência de familiares ou amigos, então, a demanda efetiva pelos meios de hospedagem será menor”, diz Simão. Mesmo assim, os técnicos do ministério fecharam planos com cada uma das cidades-sedes para criar alternativas caso, no sorteio das seleções de futebol, algum município fique sobrecarregado. “Imagine se a seleção da Argentina seja sorteada a jogar em Porto Alegre? A demanda lá será maior, então precisamos ter alternativas”, diz o secretário executivo do Turismo.

Continua após a publicidade

Acomodações – Entre as opções, o governo federal trabalha com residências que possam ser transformadas temporariamente em albergues e com meios de hospedagem que ficam nas regiões metropolitanas das capitais. De acordo com levantamento do IBGE contratado pelo Ministério do Turismo no ano passado, de todos os estabelecimentos existentes nas capitais, 85,5% encaixam-se nos padrões de médio e baixo conforto e qualidades dos serviços. Apenas 14,5% foram considerados de luxo ou muito confortáveis.

Leia ainda: Governo confia em instalação de 4G para a Copa das Confederações

Importação de produtos para consumo na Copa ganha regra

Governo combaterá abuso de hotéis na Copa das Confederações

Segundo o Ministério do Turismo, os meios de hospedagem contrataram 633,9 milhões de reais em financiamento público para construção e reforma de seus empreendimentos. Além disso, deve ser anunciada na próxima semana nova leva de vagas no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. O programa, que qualifica trabalhadores ligados à Copa, como garçons, camareiras e funcionários de hotéis em geral, deve consumir mais de 30 milhões de reais neste ano.

As 12 cidades-sede são Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Manaus (AM), Natal (RN), Recife (PE) e Salvador (BA).

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade