Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo estuda Auxílio Brasil de R$ 600 e Pix de R$ 1.000 a caminhoneiros

Proposta é alterar a PEC que compensaria a redução de arrecadação do ICMS dos estados

Por Larissa Quintino Atualizado em 23 jun 2022, 17h19 - Publicado em 23 jun 2022, 16h06

Na tentativa de diminuir a crise dos combustíveis e tentar, de quebra, aumentar a popularidade a quatro meses das eleições, o governo de Bolsonaro estuda, mais uma vez, a transferência direta de recursos. O líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ), afirmou nesta quinta-feira, 23, que há estudos de subir o Auxílio Brasil de 400 para 600 reais, além de transferir 1.000 reais aos caminhoneiros autônomos, como forma de atenuar os efeitos da alta do diesel.

As ideias foram apresentadas na reunião de líderes do Senado que discute a PEC 16, medida que visava originalmente à compensação da perda de arrecadação dos estados que reduzissem o ICMS dos combustíveis. Com isso, o novo benefício e o reajuste no Auxílio Brasil e no vale-gás seriam pagos com os cerca de 30 bilhões de reais reservados pelo governo para compensar os estados pela redução do imposto a zero. Segundo o parlamentar, as medidas seriam uma alternativa à resistência dos estados a adotar tais isenções. “O mínimo receio pelos atos que os governadores vêm adotando, insensíveis ao momento e à população, nos faz levar a essas outras iniciativas. […] Há um sentimento de todos os líderes de partidos no Senado de que não fazer nada não é uma opção”, afirmou o senador em entrevista coletiva nesta quinta-feira, 23.

De acordo com Portinho, o Ministério da Economia calcula que o voucher, também chamado de Pix Caminhoneiro, a ser pago a motoristas profissionais autônomos seja de 1.000 reais, acima dos 400 reais aventados no início da semana e em novembro do ano passado.  No caso do aumento no Auxílio Brasil, que chegaria ao mesmo valor do auxílio emergencial pago durante a pandemia, a ideia é adicionar uma parcela de 200 reais até o fim do ano, para famílias que se encontram no programa. Vale lembrar que o governo chegou aos 400 reais do Auxílio Brasil com o pagamento de uma parcela adicional ao valor do benefício do antigo Bolsa Família. Neste ano, porém, o Congresso tornou a despesa permanente.

Já o voucher para os caminhoneiros passa por uma discussão mais delicada, pois se trata da criação de um novo benefício. Mas, na avaliação do parlamentar, há um momento de emergência internacional que justifica a benesse em ano eleitoral — oficialmente, a legislação veta a criação de novos programas assistenciais no período. “Vem sendo discutido se aqueles programas que estão em vigor podem ser aumentados. O voucher caminhoneiro, sim, porque é um momento de emergência internacional.  Acho que é hora de todos os poderes terem sensibilidade”, disse Portinho.

Para Wallace Landim, presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), o novo valor estudado pelo governo para o auxílio dos caminhoneiros não é o que a categoria reivindica. “Eles precisam parar de tentar comprar caminhoneiro. A gente não quer transferência de dinheiro, quer conseguir trabalhar. Se houvesse fiscalização da tabela do frete da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), por exemplo, seria muito mais efetivo. Assim como abrasileirar o custo do serviço”, diz o motorista conhecido como Chorão, um dos líderes da greve dos caminhoneiros de 2018.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)