Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo desiste de antecipar recursos de Itaipu

Agora, os recursos para a CDE para garantir desconto na conta de luz virão diretamente do Tesouro - mais uma despesa em um momento de corte de gastos públicos

Por Da Redação
23 jul 2013, 13h21

O governo desistiu de antecipar recebíveis que o país tem a receber da Usina Binacional de Itaipu até 2023 para auxiliar na engenharia financeira que garantiu o corte na conta de luz. Agora, os recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) virão diretamente do Tesouro Nacional. Isto é, em vez de o dinheiro sair de receitas futuras, ele sairá dos cofres públicos.

Na prática, a equipe econômica anunciou na segunda-feira uma nova despesa no Orçamento deste ano. O curioso é que esse novo gasto foi anunciado na mesma cerimônia em que os ministros da Fazenda e do Planejamento divulgaram um bloqueio adicional de 10 bilhões de reais nas despesas orçamentárias de 2013.

Leia mais:

Governo anuncia corte de R$ 10 bilhões no Orçamento

Continua após a publicidade

MME publica regras para rescisão de concessão de usinas

Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o novo gasto não foi incorporado no relatório de reprogramação orçamentária divulgado na segunda. Isso quer dizer que, no próximo relatório – que será divulgado em 22 de setembro – nova despesa será anunciada. Os ministros não forneceram o custo da empreitada, mas mencionaram que deve se tratar de uma injeção mensal de 400 milhões de reais, ou seja, 4,8 bilhões por ano.

Quando questionado diretamente sobre a razão da mudança, o ministro da Fazenda explicou que o governo decidiu abandonar a ideia de usar os recebíveis de Itaipu “porque alguns questionaram essa operação”. “Não vamos antecipar recursos de Itaipu, mas usar gastos primários”, disse a ministra do Planejamento e Orçamento, Miriam Belchior.

Continua após a publicidade

Por meio de um instrumento criado neste ano, o Tesouro ficou autorizado a emitir títulos públicos na quantia exata do que têm a receber pela participação brasileira na usina compartilhada com o Paraguai até 2023. O dinheiro, obtido com a venda desses papéis seria transferido para a CDE, que, por sua vez, sustenta o repasse às empresas do setor elétrico que mantêm, desde janeiro, uma tarifa de energia mais barata para os consumidores.

Leia ainda: Mantega acha ‘engraçado’ solidez fiscal do país estar em xeque

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.