Clique e assine a partir de 9,90/mês

Governo de SP debaterá nova política para o etanol

Por Da Redação - 10 jul 2012, 13h47

Por Gustavo Porto

São Paulo – Na contramão das medidas pontuais de intervenção do governo federal no mercado do etanol, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), convocou a cadeia produtiva do combustível para desenhar uma nova política do setor no Estado.A primeira reunião de discussão será amanhã (11), às 9 horas, na Secretaria de Agricultura, confirmou há pouco, à Agência Estado a titular da Pasta, Mônika Bergamaschi.

“A pedido do governador, chamamos representantes dos trabalhadores, das indústrias de máquinas e de base, além dos membros das usinas e de entidades”, disse. “Vamos montar uma estratégia para o combustível via São Paulo”, completou a secretária.

São Paulo é o maior produtor mundial de etanol de cana-de-açúcar, com um total de 11,6 bilhões de litros na safra passada, ou 56,3% da oferta do Centro-Sul Brasil. O Estado é também o maior consumidor do País, graças à oferta e incentivos públicos para a demanda, como alíquota de 12% para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do etanol hidratado, a menor do País.

Continua após a publicidade

No ano passado, o governador desonerou o ICMS para usinas sucroalcooleiras que fizessem investimentos na modernização de caldeiras para a produção de energia elétrica do bagaço de cana-de-açúcar. No entanto, a demanda desses equipamentos não cresceu, pois, de acordo com o setor, os preços da energia elétrica nos leilões federais seguem abaixo do custo e ainda sofrem com a concorrência da energia eólica.

“É uma judiação corrermos o risco de perder todo esse conhecimento que adquirimos durante anos e todo o investimento feito no Estado”, concluiu a secretária.

Publicidade