Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Governo convoca reunião para tranquilizar empresários do setor elétrico

Autoridades apresentaram diversos cenários hidrológicos aos empresários, e a necessidade de um racionamento ficou entre 2% e 3%, abaixo do nível de segurança de 5%

Por Da Redação 18 mar 2014, 21h34

O governo convocou cerca de 20 associações do setor elétrico para reiterar que o risco de racionamento de energia no país é baixo. Em reunião realizada na noite desta terça-feira na sede do Ministério de Minas e Energia, autoridades apresentaram diversos cenários hidrológicos aos empresários, e a necessidade de um racionamento ficou entre 2% e 3%, abaixo do nível de segurança de 5%.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace), Paulo Pedrosa, os cenários apresentados pelo governo tranquilizaram o setor. “As apresentações mostraram confiança em relação aos recursos que o sistema tem para atravessar o momento atual. Com as hipóteses consideradas, os recursos são suficientes para dar tranquilidade até o fim do ano”, afirmou.

Leia também:

Aneel aprova mecanismo que devolverá mais de R$ 2 bi às distribuidoras

Elétricas têm perdas na Bolsa após pacote de medidas do governo

Consumidores e Tesouro vão bancar aporte de R$ 12 bilhões ao setor elétrico

Consumo de energia sobe – mesmo com reservatórios em baixa

Continua após a publicidade

“O setor elétrico convive com uma perspectiva de risco. O que nos mostraram hoje é que essa perspectiva de risco do setor, na análise do governo, não ultrapassou os níveis razoáveis com que o setor convive. Não estamos atravessando uma situação de crise ou emergencial”, acrescentou.

De acordo com Pedrosa, mesmo nos poucos cenários em que o racionamento seria necessário, o corte de carga necessário seria da ordem de 5%, o que, segundo ele, poderia ser absorvido sem impacto para o crescimento econômico. “Não se falou em corte de carga na reunião de hoje, isso é uma perspectiva muito distante da realidade atual. Mas, teoricamente, o sistema olha um nível de corte da ordem de 5%, que é algo que, num caso extremo que venha a acontecer, há mecanismos para lidar.”

Leia ainda:

Desordem no setor elétrico: até as manutenções estão proibidas

Governo precisa reconhecer problema de energia, diz FHC

A presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), Elbia Melo, disse que o governo pretende aguardar o fim do período chuvoso, em abril, para fazer uma avaliação mais completa do cenário hidrológico. “O governo disse que está atento porque estamos em um período hidrológico ruim, mas o fato de termos usinas térmicas nos permite ficar numa situação de avaliação, e não de tomada de decisão, que virá no fim de abril”, explicou a executiva.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês