Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Governo avalia repassar encargos da CDE somente aos consumidores

Ministério de Minas e Energia disse que estuda pleito da indústria para mudar distribuição de encargos contidos na Conta de Desenvolvimento Energético

Por Da Redação 17 abr 2015, 15h41

O Ministério de Minas e Energia confirmou que avalia um pleito do setor industrial para que seja remodelada a distribuição dos encargos contidos na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), cobrada na conta de luz. Reportagem publicada nesta sexta-feira, pelo jornal Valor Econômico informa que o governo elabora um decreto para retirar a CDE da indústria e repassá-la unicamente para a conta do consumidor residencial, medida que teria efeito a partir de 2016.

Em nota, o MME informou que o pedido da indústria “está sendo analisado por diversas áreas do governo federal, mas ainda não existe qualquer definição sobre a matéria”. O pedido foi feito porque a indústria entende que a cobrança do encargo tem servido para subsidiar o consumo residencial de energia. O setor também enfrenta dificuldades desde o fim dos aportes anuais do Tesouro Nacional ao setor elétrico, medida implantada pela nova equipe econômica do governo Dilma Rousseff.

LEIA TAMBÉM:

‘Segurança energética do Brasil dependerá do gás’

Corte de energia traz de volta o fantasma do apagão

Segundo o Valor, o objetivo do decreto em estudo pelo governo é reestabelecer os critérios de rateio dessas despesas de energia que estavam em vigor até 2012. Ou seja, na prática, o governo sofre mais uma consequência do plano de redução das tarifas, implantado naquele ano, a partir da Medida Provisória 579. Além de propor a renovação antecipada das concessões de geração e transmissão, a MP estabeleceu a cobertura de boa parte das despesas do setor elétrico pela União.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Brasil desperdiça o equivalente a uma Furnas em energia

Consumo de energia deve cair 2,9% em fevereiro, estima ONS

Se o decreto entrasse em vigor neste ano, o governo teria de obrigar a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a refazer as contas da CDE, reforçando o a atual política de realismo tarifário. A demanda é encampada pela Associação Brasileira de Grandes Consumidores de Energia (Abrace).

Uma das finalidades da CDE é promover a universalização do serviço de energia elétrica em todo o território nacional, mas, nos últimos anos, o encargo passou a ser utilizado para fechar a conta de diversos rombos do setor elétrico.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)