Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo arrecada R$ 6,15 bilhões com leilão do pré-sal

Foi a primeira série de licitações do pré-sal sob a nova regra que desobriga a Petrobras de participar como sócia em todos os projetos

O leilão de campos do pré-sal realizado nesta sexta-feira teve seis dos oito blocos arrematados, gerando uma receita de 6,15 bilhões de reais em bônus de assinatura ao governo federal. Com isso, o montante é 1,6 bilhão de reais menor do que o previsto inicialmente (7,75 bilhões de reais). Foi a primeira série de licitações do pré-sal sob a nova regra que desobriga a Petrobras de participar como sócia em todos os projetos.

No total, foram realizadas duas rodadas de licitação do pré-sal nesta sexta – segunda e terceira rodadas, a contar do início da venda de blocos da área. A Petrobras e a Shell foram as petroleiras que mais compraram no leilão, e venceram em parceria a disputa pelo campo no entorno de Sapinhoá, na Bacia de Santos. No total, sete empresas venceram a segunda rodada e seis, a terceira rodada.

Na segunda rodada, foram oferecidas quatro áreas com jazidas unitizáveis – adjacentes a campos e prospectos já sob concessão. São elas: as áreas sul de Gato do Mato; norte de Carcará; entorno de Sapinhoá; e sudoeste de Tartaruga Verde. Essa última é a única localizada na Bacia de Campos. As demais estão na Bacia de Santos.

Na terceira rodada também foram ofertadas quatro áreas: Pau Brasil, Peroba, Alto de Cabo Frio Oeste, na Bacia de Santos, e Alto de Cabo Frio Central, na Bacia de Campos.

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, considerou o resultado como bem-sucedido “Os resultados superam em muito as nossas expectativas”, disse a jornalistas após o processo.

O leilão foi realizado sob o regime de partilha, sistema que é utilizado em campos de petróleo estratégicos e nas áreas do pré-sal. O modelo prevê que os custos da exploração são definidos em óleo. O restante do petróleo no campo, chamado de “excedente”, é divido entre a empresa exploradora e a União. Vence a disputa a empresa quem fizer a maior oferta de petróleo ao governo.

Na noite de quinta-feira, a Justiça Federal do Amazonas suspendeu o certame, mas a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu contra a liminar e o leilão teve início no fim da manhã desta sexta-feira, com atraso, pois  estava previsto para as 9 horas. O leilão ocorreu no hotel Grand Hyatt, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Fernando noal

    Mas disseram que o pré sal não da lucro

    Curtir

  2. Rogerio Soares

    fracasso….teus filhos e netos vao pagar a conta!

    Curtir

  3. Francisco Narciso

    Brasil: eterno provedor de riquezas. Arrancaram o pau-brasil, depois todo o ouro, depois os minérios, e, agora, lá se vai o petróleo do nosso país. Espero que o futuro traga alguma justiça!

    Curtir

  4. Michel Santos

    Até que enfim, já passou da hora do governo parar de brincar de empreendedor. Toda empresa deve ser privada! já passou da hora de privatizar a petrobrás, correios, bancos de propriedade do governo e todas as outras estatais. PRIVATIZA TUDO!

    Curtir

  5. Claudio Stainer

    Tem que privatizar. Agora a CHESF e depois os aeroportos. Sou democrata, liberal e privativista. O Estado tem funções mais nobres do que tocar empresas.

    Curtir

  6. Sérgio Carneiro

    Perfeito. Já passou da hora de cedermos algo que não nos serve. Força Temer.

    Curtir