Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Governo admite que ano foi difícil para companhias aéreas

De acordo com o secretário executivo da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Guilherme Ramalho, variação cambial, aumento dos combustíveis e queda na demanda pesaram no balanço das aéreas

Por Da Redação 17 dez 2013, 12h44

A variação cambial, a elevação do preço dos combustíveis e a desaceleração da demanda fizeram com que o ano fosse difícil para as companhias aéreas, admitiu o secretário executivo da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Guilherme Ramalho, acrescentando que o governo federal está atento à situação. “Esse ano não foi bom para companhias aéreas, e nós temos total interesse em ajudá-las”, disse há pouco, durante palestra. “O ministro (Wellington Moreira Franco, chefe da SAC) tem levado essa discussão ao Congresso. Ainda não há novas medidas definidas, isso é algo que está sendo trabalhado”, completou Ramalho.

Ele ponderou que essa é uma discussão demorada e que precisa ser feita em parceria com outros órgãos do governo federal, como o Ministério da Fazenda. Uma das principais reivindicações das empresas aéreas diz respeito à cobrança do ICMS para voos domésticos, enquanto os voos internacionais são isentos. O secretário citou que há o entendimento de que algumas medidas parecem justas, como o tratamento isonômico para incidência de ICMS. “A discussão é importante, mas temos que separar reflexos conjunturais de problemas estruturais, pois todo setor está sujeito a variações”, ponderou.

Leia também:

Malha aérea da Copa será divulgada até 15 de janeiro

Brasil deve ser 3º maior mercado aéreo doméstico, aponta Iata

Continua após a publicidade

Iata: promessas do governo para aeroportos não serão cumpridas

Durante a palestra, o secretário foi questionado sobre a possibilidade do governo federal oferecer garantias às companhias áreas, tendo em vista o histórico de falência de várias empresas nas últimas décadas. Ramalho enfatizou que a função do governo é garantir condições regulatórias e de infraestrutura para as companhias aéreas operaram de forma igual. “Nosso desafio é dar estabilidade institucional e regulatória. O tempo de salvar empresa A, B ou C acabou”.

Congonhas – Ramalho disse ainda que a decisão sobre a revisão da distribuição de slots (vagas para pousos e decolagens) no aeroporto de Congonhas, que está sendo discutida desde a metade deste ano, deverá ficar para 2014.

O trabalho de revisão está sendo feito pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e foi solicitado pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), que defende a ampliação das operações em Congonhas para as companhias de maior porte. O aeroporto funciona hoje com capacidade de 34 slots por hora, sendo trinta para companhias aéreas e 4 para aviação executiva, que utiliza jatos menores e transporta menos passageiros por viagens.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês