Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Governo adia anúncio de Bolsa Família com gasto fora do teto

Segundo o Ministério da Cidadania, ainda não há nova data; votação da PEC dos precatórios, contrapartida para o programa, também foi postergada

Por Larissa Quintino Atualizado em 19 out 2021, 18h14 - Publicado em 19 out 2021, 17h27

O governo federal adiou o evento desta terça-feira, 19, marcado para anunciar o Auxílio Brasil, o novo Bolsa Família, que deve começar a ser pago após o fim do auxílio emergencial. A engenharia financeira para pagar um benefício de 400 reais a 17 milhões de famílias não foi bem recebida pelo mercado financeiro e causou ruído dentro da equipe econômica, já que para isso o governo precisaria de ao menos 25 bilhões de reais fora do teto de gastos para bancar o auxílio. O Ministério da Cidadania, que organizava a divulgação, informou que ainda não há data para o novo evento.

A solução de turbinar o Bolsa Família com gastos extraordinários era refutada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que defendia a solução para o programa com a abertura de espaço fiscal via PEC dos Precatórios, criando espaço para o benefício chegar em 300 reais, 58% a mais do que o valor médio do programa atual, de 189 reais. Porém, a ala política do governo quer um valor maior em 2022, ano em que o presidente Bolsonaro será candidato a reeleição.

Para conseguir bancar a conta, além dos precatórios, será necessário uma solução extrateto. A negociação da equipe econômica é que esse valor extraordinário não ultrapasse a faixa dos 25 bilhões de reais. A expectativa para o gasto total com o programa de transferência de renda no próximo ano fique entre 80 bilhões e 84 bilhões de reais, caso o benefício suba para 400 reais. O orçamento do Bolsa Família em 2021 é de 34 bilhões de reais.

A autorização para os gastos extras do programa, segundo a estratégia do Planalto, devem estar na PEC. Além do adiamento do evento, a votação do relatório da proposta que altera o pagamento dessas dívidas e abre espaço fiscal, também foi adiado já que serão necessárias alterações no texto para acomodar as mudanças para o Auxílio Brasil. Segundo o texto, o governo deve arcar com cerca de 40 bilhões de reais dos quase 90 bilhões de reais de Precatórios que vencem em 2022, permitindo um espaço de 50 bilhões de reais no Orçamento.

Com a disparada do risco fiscal, o dólar comercial fechou o dia cotado a 5,594 reais, alta de 1,3%, encostando nos 5,60 reais. O índice Ibovespa recuou 3,3%, a 110.672 pontos. Durante a tarde, o índice chegou a recuar 3,80%, porém recuperou um pouco das perdas após o adiamento.

Continua após a publicidade

Publicidade