Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Acusada de encobrir caso, Google diz que demitiu 48 executivos por assédio

De acordo com o NYT, Andy Rubin, criador do sistema operacional Android, deixou a empresa, mas recebeu bônus de US$ 90 milhões

Por Redação Atualizado em 26 out 2018, 18h44 - Publicado em 26 out 2018, 13h44

Reportagem publicada pelo jornal The New York Times relata que o Google encobriu denúncias de assédio sexual contra Andy Rubin, criador do sistema operacional Android.

Segundo o jornal, uma funcionária acusou o executivo de forçá-la a fazer sexo oral nele em um hotel. O caso ocorreu em 2013. Após a denúncia, uma investigação do Google confirmou a versão da mulher. Foi solicitada a saída do executivo do cargo, que renunciou em outubro do ano seguinte.

Mas Rubin não deixou a empresa de mãos abanando, de acordo com o NYT. O Google ofereceu ao executivo uma bonificação de 90 milhões de dólares, pagas em parcelas mensais durante quatro anos  a última prevista para novembro deste ano.

Um porta-voz do executivo negou as acusações de assédio. Segundo sua defesa, Rubin deixou a empresa por decisão própria.

A reportagem ainda mostra que outros dois executivos de alto escalão do Google foram protegidos após acusações de condutas inapropriadas. Em um dos casos, o vice-presidente de buscas, Amit Singhal, foi acusado de apalpar uma funcionária durante evento da empresa. Ele estaria alcoolizado. Singhal deixou a empresa sem alardes em 2015 após receber uma indenização milionária.

Continua após a publicidade

Procurado por VEJA, o Google informou que demitiu 48 executivos nos últimos dois anos por assédio sexual. “Nenhum desses indivíduos recebeu um pacote de saída”.

  • O terceiro executivo, David C. Drummond, do departamento jurídico, manteve um caso extraconjugal com sua funcionária por três anos. O episódio veio a público quando eles tiveram um filho  a empresa determinou que um deles mudasse de área, o que coube a Jennifer Blakely.

    Enquanto isso, Drummond acabou promovido e atualmente é responsável pelos assuntos jurídicos da Alphabet, holding que controla o Google, e também pelo conselho de administração do Google Ventures, braço de investimentos em novos negócios da companhia.

    Em e-mail enviado aos funcionários, a empresa diz que oferece canais confidenciais para denúncias. “Sabemos que denunciar assédio pode ser traumático. Apoiamos e respeitamos aqueles que se manifestaram”.

    A mensagem foi assinado pelo CEO do Google, Sundar Pichai e a vice-presidente de recursos humanos, Eileen Naughton.

    Continua após a publicidade
    Publicidade