Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Gleisi destaca importância de parceria público-privado em infraestrutura

Ministra da Casa Civil quer criar condições para que haja investimentos privados no setor com retorno compatível ao risco do negócio

Por Da Redação 5 fev 2013, 12h15

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, afirmou nesta terça-feira que o Brasil ingressou em uma longa trajetória de transformação. Ela citou que o crédito cresce ano a ano e que superou 50% do PIB em 2012, mas salientou que hoje há um novo conjunto de desafios. “A educação e a tecnologia são pilares do futuro”, disse durante o seminário “Infraestrutura e Energia no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades”, em São Paulo.

A ministra falou ainda que o Programa de Investimento e Logística complementa o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e “garante celeridade e expertise nos investimentos”. Ela destacou que o Brasil precisa criar condições para novos contratos com empresas privadas sejam bem-sucedido. Ela lembrou que são quase 200 bilhões de reais em investimentos em infraestrutura, mas ressaltou que “o retorno tem de ser compatível com risco do negócio”.

Leia também:

Rio 2016: Dilma veta isenção a empresas de infraestrutura

PAC não consegue reverter déficit de infraestrutura, diz EPL

A ministra-chefe da Casa Civil afirmou também que o governo federal vai financiar projetos de ferrovias a fim de assegurar o desenvolvimento de longo prazo do setor e diminuição do custo logístico brasileiro. “Vamos colocar recursos em financiamentos de ferrovias e não vamos permitir sucateamento da malha”, destacou.

Em relação aos aeroportos, a ministra disse que o governo deseja que eles se tornem comparáveis aos melhores do mundo. E, para que isso ocorra, o governo quer companhias muito experientes que atuem internacionalmente. “Queremos empresas com gestão de aeroportos no mínimo com 35 milhões de passageiros ao ano”, afirmou Gleisi. Segundo ela, o governo quer receber sugestões antes da implementação dos projetos em aeroportos.

“Estamos oferecendo investimentos no país com grandes perspectivas, negócio seguro e regras claras”, destacou. “O governo quer acertar e está aberto para isso e para aqueles que se mostrarem parceiros de longo prazo.”

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade