Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ghosn pode cortar seu bônus milionário para facilitar acordo com fábricas francesas

Presidente da Renault cogita postergar o recebimento da remuneração variável para facilitar assinatura de contratos com fornecedores

Por Da Redação - 14 fev 2013, 08h25

A montadora francesa Renault, que registrou um lucro menor em 2012, anunciou nesta quinta-feira que seu presidente, Carlos Ghosn, está disposto a adiar o recebimento de parte de sua remuneração para facilitar a assinatura de um acordo de competitividade nas fábricas francesas.

O conselho de administração do grupo confirmou na quarta-feira que o pagamento de 30% da remuneração variável de Ghosn seria adiada “do ano 2012 a 31 de dezembro de 2016”, caso o acordo seja assinado.

Em 2011, a parte variável do salário de Ghosn como presidente da Renault era de 1,59 milhão de euros e a parte fixa de 1,23 milhão de euros. Ghosn recebe ainda um salário como presidente da Nissan.

O governo francês afirmou nas últimas semanas que Ghosn deveria reduzir sua remuneração, em contrapartida a um congelamento de salários no grupo previsto no acordo de competitividade.

Leia também:

Renault propõe corte de 7,5 mil empregos até 2016

Renault transferirá parte da produção para a Turquia

(Com agência AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade