Clique e assine a partir de 8,90/mês

Geadas atingem campos no Paraná, importante produtor de grãos

Ainda não é possível quantificar os prejuízos no estado, mas estima-se que plantações de hortaliças, café, pastagens e até mesmo algumas lavouras de milho tenham sido afetadas

Por Da Redação - 24 jul 2013, 16h42

Geadas atingiram grandes extensões no Paraná na madrugada desta quarta-feira, o dia mais frio do ano no estado, afetando especialmente o trigo e também plantações de hortaliças, café, pastagens e até mesmo algumas lavouras de milho, segundo informação do Departamento de Economia Rural (Deral), do governo paranaense.

As indicações são de que o trigo do estado tenha sofrido danos, embora ainda seja difícil estimar as perdas. O Paraná concorria ao posto de maior produtor de trigo do Brasil neste ano. O Ministério da Agricultura estimou, no início do mês, uma produção de 5,6 milhões de toneladas de trigo no país este ano. Deste total, cerca de 48% viriam de terras paranaenses.

Os prejuízos devem colaborar para sustentar os preços agrícolas, principalmente do trigo, que já estão nos mais altos valores da história, em função de uma quebra de safra no Brasil e nos países do Mercosul na temporada passada. Além da preocupação inflacionária, o cereal também tem peso importante no Produto Interno Bruto (PIB) agropecuário do país.

“No momento não é possível quantificar os prejuízos, pois ainda há previsão de nova geada para essa madrugada, mas preliminarmente podemos verificar que as perdas na agricultura serão grandes”, afirmou o Deral em relatório diário, descrevendo a situação de Apucarana, o norte do estado.

Leia também:

Frio causa pelo menos uma morte no país

O Deral em Apucarana informou que o trigo, que já estava sofrendo com ataques de doenças e desenvolvimento desuniforme, “deverá ter uma perda por estar nas fases de floração e frutificação”, nas quais a cultura está vulnerável a geadas.

Hortaliças, como repolho, couve-flor, beterraba e folhosas plantadas a céu aberto, também foram atingidas nessa região. No café, grande parte das lavouras foram afetadas com nível de danos variado. “Com essas temperaturas baixas, ocorreram geadas fortes em todas as regiões (do Paraná)”, confirmou o meteorologista Paulo Barbieri, do Simepar, instituto de meteorologista que funciona dentro da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba.

Continua após a publicidade

Técnicos dizem que cerca de metade do trigo plantado no Paraná está em fases mais avançadas de desenvolvimento, nas quais as plantas são vulneráveis ao frio, o que pode levar o país a aumentar suas importações do cereal.

“Fazer um diagnóstico agora das culturas é precipitado. É o momento que se tem pouca ideia do que aconteceu”, disse o coordenador da Divisão de Estatística do Deral, Carlos Hugo Godinho, lembrando que ainda há risco de geadas para as próximas duas madrugadas, o que poderia ampliar os danos ao trigo paranaense.

Leia ainda: Onda de frio chega ao Sul e faz nevar em 28 cidades de SC

Em Campo Mourão, outra importante região produtora de trigo no Paraná, também foram registradas temperaturas negativas nesta madrugada, afetando principalmente as culturas de inverno, hortaliças e pastagens, de acordo com Deral. O clima é de apreensão entre os produtores, que aguardam mais geadas fortes até sexta-feira.

Já em Cornélio Procópio, também no norte do estado, onde as temperaturas costumam ser mais amenas, levantamento preliminar indicou a ocorrência de geadas, especialmente nas baixadas, o que deve ter afetado as culturas de trigo e milho segunda safra, na fase de frutificação.

Em Francisco Beltrão, no sul, também houve geada forte, e “haverá perdas na cultura do trigo, pois aproximadamente 60% da área plantada está em fase suscetível”, disse o Deral. Os pecuaristas de Paranavaí, no norte do estado, também deverão ter dificuldade para realizar o manejo do gado com a ocorrência de geadas na região.

Por fim, em Ivaiporã, no centro paranaense, houve frio intenso com formação de geadas, o que afetou as culturas de café, trigo e hortaliças. “O café que está sendo colhido não foi afetado, porém a próxima safra terá forte redução na produção, além da erradicação devido aos preços baixos, e agora com a geada”, disse o Deral, sobre a situação em Ivaiporã.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade