Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

G7 discutiu avanço em união fiscal na UE–EUA

Por Da Redação 5 jun 2012, 13h54

WASHINGTON, 5 Jun (Reuters) – Ministros das Finanças do grupo das sete principais economias discutiram avanços na direção de uma união financeira e fiscal na Europa, informou nesta terça-feira o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, depois que autoridades de finanças do G7 realizaram uma teleconferência de emergência sobre a crise da dívida da zona do euro.

“Os ministros e presidentes de bancos centrais do G7 revisaram os avanços na economia global e nos mercados financeiros e a resposta política está sob consideração”, disse o Tesouro em um comunicado.

O órgão norte-americano não deu mais detalhes sobre se um consenso está emergindo entre os líderes europeus para um plano de ação específico, ou se o G7 considera uma resposta conjunta à crise na Europa, que aumentou com bancos espanhóis em dificuldades ameaçando o sistema financeiro global.

No entanto, o ministro das Finanças do Japão, Jun Azumi, afirmou nesta terça-feira que autoridades de Finanças do G7 concordaram na teleconferência em trabalhar juntos para lidar com os problemas que afetam Espanha e Grécia.

O dirigente asiático reforçou ainda a seus parceiros do G7 que o Japão está preocupado com o impacto da alta da moeda nacional e das quedas nos preços das ações japonesas.

Em meio às preocupações de que a crise da dívida na Europa poderia colocar em risco a recuperação dos EUA, a administração norte-americana afirmou, por sua vez, que a União Europeia precisa adotar novas medidas para convencer os mercados de que tem feito o suficiente para enfrentar seus problemas financeiros.

O Tesouro dos EUA afirmou ainda que os ministros das Finanças concordaram em fiscalizar mais de perto os desdobramentos antes da reunião do G20 nos próximos dias 18 e 19, no México.

“Acho que, obviamente, os problemas da Europa cabem primeiro à Europa resolver, mas vivemos claramente em um mundo interdependente e a perspectiva da economia global é impactada pela Europa”, avaliou o secretário adjunto para Assuntos Internacionais do Departamento do Tesouro norte-americano, Mark Sobel, durante evento em Washington.

(Reportagem de Rachelle Younglai)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês