Clique e assine com até 92% de desconto

G-7 convoca reunião de emergência

Por Da Redação 6 ago 2011, 07h13

Por Jamil Chade

Genebra – Depois da pior semana vivida pelos mercados desde a quebra do Lehman Brothers, em 2008, as bolsas no Brasil e nos Estados Unidos esboçaram uma reação ontem, depois que os chefes de governo do G-7 convocaram uma reunião de emergência – para tentar evitar uma nova recessão – e o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, anunciou novas medidas de austeridade. Dados melhores no mercado de trabalho nos EUA também ajudaram. Com os mercados já fechados, a reação não teve tempo de reverter a queda das bolsas europeias e asiáticas.

A reunião dos países ricos foi anunciada após conversa telefônica entre os chefes de governo de Franca, Reino Unido, Alemanha, Espanha, Itália e o presidente do Conselho da Europa. A decisão, porém, foi de limitar o encontro aos países ricos, rompendo uma prática desde a eclosão da crise mundial de chamar à mesa os países emergentes, como o Brasil, para buscar soluções para crises internacionais. O G-20 não foi convocado.

O dia de ontem foi de volatilidade em todo o mundo e de mais quedas nas bolsas europeias, diante dos temores em relação à incapacidade de Itália e Espanha pagarem suas dívidas. O mercado apenas respirou aliviado por alguns instantes com os dados do desemprego americano, melhores que o esperado. A taxa de desemprego caiu para 9,1% em julho, de 9,2% em junho, e foram criados 154 mil empregos.

No Brasil, a Bovespa fechou em alta de 0,26%. Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones fechou com alta de 0,54%. Mas o temor de uma nova recessão e de um contágio da crise na Europa prevaleceu, pelo menos nas bolsas europeias, que fecharam com fortes quedas. Frankfurt recuou 2,78%; Londres, 2,71%; e Paris, 1,26%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continua após a publicidade
Publicidade