Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Futuros indicam abertura em baixa das bolsas de NY

Por Sergio Caldas

Nova York – Os índices futuros das bolsas de Nova York apontam para uma abertura em baixa no pregão desta segunda-feira, em meio a preocupações com a situação da zona do euro. Às 10h15 (de Brasília), no mercado futuro, o Dow Jones recuava 1,65%, o Nasdaq caía 1,68% e o S&P 500 perdia 1,49%.

Como ocorreu na sexta-feira, Wall Street continua influenciada pelas fortes perdas nos mercados europeus. Em Milão, Madri, Paris e Londres, as ações caíam 3,93%, 2,51%, 2,94% e 2,37%, respectivamente.

No fim da semana passada, a decisão da Espanha de revisar para baixo suas projeções de PIB para 2013 e 2014 e notícias de que a região espanhola de Valência vai buscar ajuda do governo federal para refinanciar sua dívida alimentaram receios de que o país como um todo, e não apenas seu combalido setor bancário, precise de um acordo de ajuda.

O sentimento do mercado piorou ainda mais após uma matéria de fim de semana do jornal El País sugerir que outras seis regiões, incluindo a Catalunha, vão necessitar de auxílio financeiro de Madri. Além disso, a revista alemã Der Spiegel publicou que o Fundo Monetário Internacional poderá suspender sua ajuda à Grécia.

Os futuros em Nova York não reagiram ao dado positivo divulgado nesta manhã. O Índice Nacional de Atividade do Federal Reserve de Chicago subiu para -0,15 em junho, da leitura revisada de -0,48 em maio. Já a média móvel dos últimos três meses avançou para -0,20, de -0,38.

No pré-mercado, as ações do setor financeiro eram as mais afetadas, com o Bank of America Merril Lynch (BofA) recuando 2,1%, o JPMorgan Chase caindo 1%, o Morgan Stanley perdendo 3,3% e o Citigroup em baixa de 1,8%.

Por outro lado, a ADR da produtora canadense de petróleo e gás natural Nexen disparava 54% em Nova York depois de anunciar que será adquirida pela chinesa Cnooc, numa transação de US$ 15,1 bilhões em dinheiro.

A Halliburton, por sua vez, subia 0,4% depois de a provedora de serviços para o setor petrolífero anunciar lucro e receita trimestrais acima das projeções dos analistas. As informações são da Dow Jones.