Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Fundo sueco engrossa lista de acionistas que processam Petrobras

Fundos americanos e alguns europeus, além de minoritários brasileiros, já entraram na Justiça contra a estatal

Por Da Redação 6 abr 2015, 09h15

O maior fundo de investimentos da Suécia, o AP 1, vai iniciar um processo contra a Petrobras, engrossando a lista que já conta com alguns americanos e europeus, além de minoritários brasileiros. O fundo alega que a Petrobras não informou em seu balanço sua real situação econômico-financeira, não provou que seus controles anticorrupção eram eficazes e supervalorizou ativos.

O AP 1 detinha 3,7 milhões de dólares (11,1 milhões de reais) em ativos da estatal até dezembro. Em 2014, as ações da Petrobras perderam 43% de seu valor de mercado. Diferentemente de fundos americanos e alguns europeus, que se uniram para entrar com um processo único, o fundo sueco quer correr na Justiça separadamente. O segundo maior fundo do país, o AP 3 também estuda entrar com a ação, afirmaram ao jornal Financial Times.

Leia também

BNDES perde R$ 2,6 bi com Petrobras e balanço é aprovado com ressalvas

CGU abre processos contra mais cinco empresas suspeitas de envolvimento no petrolão

Petrobras diz que ainda não há data para divulgação de balanço

Investidores americanos já entraram na Justiça dos Estados Unidos pedindo indenizações por terem sido “enganados” com números que não correspondiam à realidade, já que foram possivelmente inflados pelos contratos superfaturados. As ADRs (recibos de ações negociados na Bolsa de Valores de Nova York) da Petrobras nos Estados Unidos precisam seguir as regras de governança estabelecidas pela Securities and Exchange Commission (SEC), órgão que corresponde nos EUA à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A própria SEC está investigando as denúncias de corrupção na Petrobras desde outubro do ano passado. Ao contrário do Brasil, apurações desse tipo costumam ser rápidas nos EUA e são passíveis de multas bilionárias para a empresa condenada.

Em dezembro, a CVM abriu inquérito administrativo para apurar responsabilidades de executivos da Petrobras em denúncias de corrupção envolvendo a companhia. Em meados de março, o Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu apurar a responsabilidade de integrantes do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal da Petrobras nos casos de possíveis falhas cometidas na gestão da petroleira. A presidente Dilma Rousseff foi presidente do Conselho de Administração da petroleira entre 2003 e 2010. O período engloba equivocadas decisões do conselho, como a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. A aquisição de Pasadena, investigada por vários órgãos, foi o estopim para criação da CPI mista da Petrobras, no ano passado.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês