Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Funcionários da Volvo fazem greve contra demissões

Trabalhadores de Curitiba protestam contra a decisão da montadora de cortar 206 postos já neste mês

Funcionários da fabricante de caminhões Volvo, de Curitiba (PR), paralisaram a produção na terça-feira em protesto contra a decisão da empresa de demitir funcionários. A montadora confirmou que pretende cortar 206 postos ainda neste mês “para ajustar a produção à demanda”. Os cortes serão na área de produção, onde trabalham cerca de 2 mil dos 4 mil funcionários.

Os trabalhadores devem decidir na manhã desta quarta-feira se continuam a greve.”Se a empresa não apresentar alternativa às demissões, vamos manter a paralisação”, disse o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Sérgio Butka. A fábrica produz cerca de 80 caminhões por dia.

A Volvo informou que opera com pessoal ocioso desde meados do ano. As vendas de caminhões pesados e semipesados da marca caíram 5,9% de janeiro a novembro em relação a igual período de 2013. O mercado total teve queda de 13,3% nesses segmentos.

O sindicato propôs alternativas como lay-off (suspensão temporária de contratos), banco de horas e nova discussão sobre excedentes no início do próximo ano. Um grupo de trabalhadores entra em férias coletivas na segunda-feira e outro no dia 22 de dezembro, ambos por 30 dias.

Leia também:

Para ‘desovar’ estoques, montadoras prolongam férias

Montadoras anunciam nova onda de demissões e férias coletivas

Ford e GM afastam mais de mil trabalhadores no Vale do Paraíba

A Volvo é a montadora que paga os mais altos valores de Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Neste ano, foram cerca de 30 mil reais para cada trabalhador. O montante para 2015 ainda será negociado.

Butka informou que outras empresas do setor também estão promovendo cortes. Neste ano, houve 12 mil demissões na base do sindicato, que conta atualmente com 65 mil metalúrgicos. “Até agora foram 3 mil demissões a mais do que no ano passado.”

(Com Estadão Conteúdo)