Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Funcef deve dobrar participação em Belo Monte

Entidade ficará com uma parte das ações que será vendida pelas construtoras que desistiram do negócio; participação na usina deve passar de 2,5% a 5%

Por Da Redação 10 jun 2011, 13h17

A ideia do Funcef é comprar cerca de um terço da parcela que as construtoras J.Malucelli, Galvão Engenharia, Cetenco, Contern, Serveng e Mendes Júnior colocaram à venda

O fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal (Funcef) deve dobrar sua participação no consórcio que vai administrar a Hidrelétrica de Belo Monte (PA). A entidade ficará com parte das ações que serão vendidas pelas construtoras que desistiram do negócio. Se a operação for confirmada, a participação de empresas públicas e de fundos de pensão de estatais no controle da usina será de praticamente 70%.

A ideia do Funcef é comprar cerca de um terço da parcela que as construtoras J.Malucelli, Galvão Engenharia, Cetenco, Contern, Serveng e Mendes Júnior colocaram à venda. Juntas, as companhias detêm 7,25% de participação na usina que será construída no Rio Xingu. Com a aquisição, o fundo de pensão, que tem 2,5%, passará a deter 5% do controle de Belo Monte.

A Neoenergia – também acionista do consórcio Norte Energia, que vai tocar a hidrelétrica – deve fechar na semana que vem a compra de outra fatia das construtoras desistentes, segundo informou uma fonte ligada às negociações. Não há ainda definição sobre o tamanho da parcela que poderá ser adquirida pela empresa, que detém 10% de participação na usina por meio da Belo Monte Participações. Oficialmente, a empresa, controlada pela espanhola Iberdrola, Previ e Banco do Brasil, nega que, no momento, haja qualquer negociação.

Por já serem acionistas, o Funcef e a Neoenergia têm preferência na compra da participação das construtoras. Pelas regras do consórcio, toda vez que um sócio manifesta interesse em deixar o grupo, os demais integrantes têm 30 dias para decidirem se compram ou não a fatia à venda.

Como as construtoras anunciaram a saída há duas semanas, o período de preferência se encerrará dentro de 15 dias.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade