Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

FT: queda de Eike Batista constrange o governo Dilma

Segundo o jornal britânico, Eike era o 'empresário de estimação' do PT

Por Da Redação
4 nov 2013, 17h55

A queda do império de Eike Batista foi constrangedora para a presidente Dilma Rousseff, segundo o jornal britânico Financial Times. De acordo com o texto publicado no blog Beyondbrics, a chancela da presidente à petroleira OGX foi um episódio do qual a presidente deve se recordar e, de certa forma, “arrepender-se”. A empresa entrou com um pedido de recuperação judicial na última quarta-feira, alegando um endividamento da ordem de 11,2 bilhões de reais.

Em abril de 2012, poucos meses antes do início da derrocada do empresário, Dilma compareceu a uma plataforma de exploração da OGX, na Bacia de Campos, para celebrar o “primeiro óleo” retirado de um dos poços da companhia, que mais tarde se mostraram grande “micos”.

À época, a presidente disse palavras de estímulo ao empresário e comemorou os feitos do setor de óleo e gás no país. O principal motivo da crítica, no entanto, é o fato de Dilma ter destacado as parcerias que OGX e a Petrobras poderiam fazer com a exploração do pré-sal. “As duas empresas podem ganhar muito com essa parceria”, disse a presidente.

Leia também:

OGX deve até para fornecedor do cafezinho

Continua após a publicidade

Com dívida de R$ 11,2 bi, petroleira OGX diz que ainda pode gerar receita

Em um ano, BNDESPar perdeu quase R$ 40 mi com OGX

Segundo o FT, Eike era, de certa forma, o ‘empresário de estimação do PT’, e o apoio que recebia do governo levanta questionamentos sobre o futuro da política econômica. A ascensão de Eike deu credibilidade às afirmações do partido de que a condução da economia era ‘pró-mercado’, ainda que os atos do governo neste sentido mostrassem o contrário. “Mas será que sua queda vai tornar o partido mais ou menos intervencionista?”, questiona a publicação.

O texto também questiona o silêncio do governo diante da queda de Eike e a insistência dos principais nomes da política econômica, como Luciano Coutinho, presidente do BNDES, e o ministro da Fazenda Guido Mantega em dizer que o fracasso de Eike nada tem a ver com a gestão petista.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.