Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Desaceleração das indústrias frustra crescimento econômico

Empresário conta que já demitiu funcionários e agora reduziu jornada de trabalho para adequar produção à queda no faturamento

Por Ana Paula Machado
Atualizado em 31 ago 2018, 10h41 - Publicado em 31 ago 2018, 09h34

Uma das causas do baixo crescimento econômico é a desaceleração da atividade industrial, sintoma que a ASVAC, fabricante de bombas industriais, conhece de perto. A empresa, que já chegou a produzir 700 bombas por ano, deve terminar 2018 com a fabricação de apenas 300 unidades.

“Tínhamos a expectativa de melhora do mercado, de retomada dos investimentos pelos nossos clientes. Depois da greve dos caminhoneiros, em maio, tudo mudou. A paralisação tirou o brilho do mercado, o otimismo de que os negócios iriam voltar este ano e mais fortemente em 2019. Agora, vemos um incerteza e represamento dos investimentos”, disse César Prata, sócio da empresa.

A indústria é um importante componente do PIB, mas vem se retraindo por falta de investimento. O produto interno bruto (PIB) cresceu do país apenas 0,2% no segundo trimestre do ano em relação ao três meses anteriores. Esse resultado foi influenciado, principalmente, pelo setor industrial, que teve uma queda de 0,6%. A agropecuária, que costuma ser o motor da economia, ficou estagnada (0,0%). Já os serviços tiveram um pequeno avanço de 0,3% no segundo trimestre. Já 

O empresário contou que a maioria dos clientes pedem para alongar os prazos de entrega dos equipamentos. Normalmente, uma bomba industrial demora de 3 a 6 meses para sair da linha de produção. “Muitos contratos estão devem ser entregues em 10 meses, isso para equipamentos que podiam ter sua produção finalizada em seis meses. Com o esse alongamento das entregas, temos queda na produção”, afirmou.

Continua após a publicidade

Com a queda na produção, Prata conta que teve que reduzir sua folha de pagamento — hoje, ele emprega 20 pessoas. Em 2016, eram 50 empregados na fábrica localizada em São Paulo. O empresário afirmou que, para não reduzir ainda mais o seu quadro de funcionários, a solução foi diminuir a carga de trabalho de 44 para 40 horas semanais. “É um profissional muito especializado, para treinar um funcionário demoramos cinco anos. Por isso, tentamos reter essa pessoa ao máximo e usamos todas as alternativas antes da demissão”, explicou.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.