Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Franco divulga mensagem de governabilidade e faz alerta ao Brasil

Raúl Cortés.

Assunção, 26 jun (EFE).- Em meio à tensão que o Paraguai vive provocada pelo impeachment do presidente Fernando Lugo, o novo líder, Federico Franco, transmitiu nesta terça-feira uma mensagem de governabilidade à população, mas alertou sobre o risco de uma guerra civil no país e não poupou advertências a seus principais vizinhos, Brasil e Argentina.

Após nomear seu ministro da Fazenda, Manuel Ferreira, Franco convocou imediatamente a imprensa estrangeira para uma entrevista no palácio presidencial para defender a legitimidade de seu governo ante a rejeição no exterior.

O governo de Cuba aderiu nesta terça-feira ao movimento de ações diplomáticas que condenam a destituição de Lugo e retirou seu embaixador em Assunção, enquanto o Comitê Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) se reúne para avaliar a crise paraguaia.

Da mesa de seu escritório, o político liberal de 49 anos afirmou ser o responsável por prevenir o país contra uma guerra civil, diante da crise provocada pelo rápido e controvertido julgamento político no Parlamento que custou o cargo de Lugo.

Franco destacou que ‘não há policiais nem militares’ nas ruas paraguaias e a vida continua com absoluta normalidade, ressaltando que sua prioridade é ‘manter a calma’. Um exemplo é que o Campeonato Paraguaio de futebol, que foi interrompido, seria retomado nesta terça-feira.

Segundo ele, a meta é transmitir à comunidade internacional a tranquilidade e a governabilidade nas ruas e fazer todo o esforço para demonstrar que seu governo é ‘absolutamente democrático’.

Franco anunciou que apresentará nesta quarta-feira ao Legislativo seu plano econômico para os 14 meses que lhe restam de governo formal e reiterou que ‘os prazos eleitorais serão respeitados’.

‘Se Deus e Nossa Senhora permitirem, também com a ajuda de vocês, os meios de comunicação internacionais, vamos entregar meu governo em 15 de agosto de 2013 e, tomara, com um país mais organizado’, anunciou.

O líder disse que, ‘em uma semana’, seu Executivo vai fazer ‘tudo’ o que não foi feito nos últimos quatro anos com o ex-presidente Lugo, de quem Franco foi vice-presidente.

No meio da improvisada e às vezes tensa entrevista coletiva, um jornalista chileno perguntou a Franco se o novo líder não sentia responsabilidade pelo tempo partilhado no poder com Lugo. Em resposta, o atual presidente brincou que o contrataria.

‘Se não houvesse tantas câmeras, me levantaria e o cumprimentaria. Vou recomendar que meu assessor de imprensa o contrate. O senhor é muito hábil’, declarou o governante.

Sobre Lugo, que pretende liderar uma onda de manifestações pacíficas nas ruas para recuperar seu cargo presidencial, o presidente também se manifestou. ‘Nós garantimos o Estado de Direito, o povo pode se manifestar, o que não vamos permitir são os excessos’, afirmou o presidente – Franco e Lugo são de partidos diferentes e mantinham rivalidades nos últimos anos.

O atual chefe de Estado também considerou que o ex-presidente carece de ‘autoridade’ para participar das cúpulas da Unasul e do Mercosul, após Lugo ter dito que pretendia comparecer à reunião deste bloco, ideia que acabou desistindo.

Os encontros debaterão no fim de semana a crise paraguaia em Mendoza (Argentina). Nesta segunda-feira, o novo chanceler paraguaio, José Félix Fernández, advertiu Lugo de que, se fosse ao encontro, poderia sofrer consequências na Justiça.

Sobre a relação com Brasil e Argentina, os dois grandes vizinhos e parceiros do Paraguai no Mercosul, Franco lembrou ambos sobre a dependência que as cidades de São Paulo e Buenos Aires têm das hidrelétricas compartilhadas com o Paraguai, Itaipu e Yacyretá, respectivamente.

Ele pediu à presidente Dilma Rousseff que converse com os brasileiros que vivem no Paraguai, conhecidos como ‘brasiguaios’, sobre sua postura em relação à crise política no país vizinho.

Uma delegação de ‘brasiguaios’, formada, segundo Franco, por cerca de 500 mil pessoas que habitam em vastas extensões agrícolas próximas à fronteira comum, se reuniu nesta terça-feira com o novo presidente para expressar-lhe apoio.

No caso da Argentina, cuja presidente, Cristina Kirchner, foi a primeira a rechaçá-lo e a retirar seu embaixador de Assunção, Franco afirmou que tentará manter ‘um tratamento especial’ à governante. EFE

rac/tr/sa

(foto) (vídeo)