Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

França e Alemanha formam grupo de trabalho para enfrentar crise

A ideia é traçar soluções para questões como supervisão bancária, recapitalização dos bancos espanhóis, reforço da união fiscal e monetária e a crise na Grécia.

A Alemanha e da França ficaram responsáveis por formar, nos próximos dias, um grupo conjunto de trabalho para enfrentar a crise da zona do euro, decisão tomada nesta segunda-feira pelos ministros das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, e francês, Pierre Moscovici.

Ambos concordaram em estreitar a colaboração entre os dois países para combater a crise da zona do euro e os problemas de financiamento dos países do sul da Europa. A ideia é que eles encontrem soluções para questões como supervisão bancária, recapitalização dos bancos espanhóis, reforço da união fiscal e monetária e a crise na Grécia.

“Trabalharemos juntos para preparar bilateralmente as decisões que devem ser tomadas para enfrentar a crise da zona do euro”, disse Schauble. Já Moscovici destacou que a reunião bilateral é “um sinal que desejamos avançar juntos em direção às soluções sustentáveis”.

Leia mais:

Bancos espanhóis pedem mais de € 400 bi ao BCE

Alemanha: especular saída da Grécia do euro é ‘insensato’

FMI não deve abandonar resgate da Grécia, diz Merkel

Por que o mundo teme a saída da Grécia do euro

Soluções – Sobre a crise grega, Schauble disse que a questão será trabalhada com base nas conversas mantidas na semana passada pelo primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, com a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande. Os governos da Alemanha e França estão também estão em contato direto com o da Espanha para tomar rapidamente as decisões necessárias para aplicar o já autorizado programa de recapitalização dos bancos espanhóis.

O ministro alemão ressaltou ainda a necessidade de estimular o crescimento, já que a economia mundial como um todo está caminhando a passos mais lentos, especialmente a Europa. O ministro francês afirmou que a prioridade agora é aprofundar a cooperação bilateral através do novo grupo de trabalho para preservar a integridade, a continuidade e a estabilidade da zona do euro.

(Com agência EFE)