Clique e assine com até 92% de desconto

Forbes é processada por subavaliar fortuna de príncipe

O príncipe saudita Alwaleed bin Talal afirmou que sua fortuna ficou US$ 9,6 bilhões abaixo do valor real

Por Da Redação 7 jun 2013, 15h27

O bilionário príncipe saudita Alwaleed bin Talal processou a revista ‘Forbes’ por difamação num tribunal britânico, alegando que a avaliação de sua fortuna em 20 bilhões de dólares ficou 9,6 bilhões de dólares abaixo do valor real, informou o jornal britânico ‘Guardian’ nesta sexta-feira.

O príncipe, neto do fundador da Arábia Saudita e sobrinho do rei Abdullah, acusou o ranking de bilionários da revista norte-americana de ser falho e tendencioso contra as empresas do Oriente Médio, depois de ter ficado na 26ª posição na lista deste ano.

Um funcionário da Corte Superior de Londres confirmou que o príncipe Alwaleed tinha apresentado um processo de difamação contra a ‘Forbes’, seu editor Randall Lane, e dois de seus jornalistas em 30 de abril. Detalhes do processo não estavam imediatamente disponíveis.

Leia também:

Banqueiros brasileiros perdem espaço no ranking da Forbes

Continua após a publicidade

Eike cai 93 posições no ranking de bilionários da ‘Forbes’

Forbes: Dilma é 2ª mulher mais poderosa do mundo

Por meio de sua Kingdom Holding Company, o príncipe Alwaleed possui grandes participações nas empresas Citigroup, News Corp e Apple, entre outras. Ele também é proprietário e sócio de hotéis de luxo, incluindo o Plaza, em Nova York, o Savoy, em Londres, e o George V, em Paris.

A lista de bilionários do mundo da ‘Forbes’ deste ano foi publicado em 4 de março. No dia seguinte, a Kingdom Holding disse que o processo de avaliação havia utilizado “dados incorretos” e “parecia destinado a pôr em desvantagem investidores e instituições do Oriente Médio”. O escritório de advocacia Kobre & Kim, que o ‘Guardian’ disse representar o príncipe Alwaleed no processo, recusou-se a comentar. A revista ‘Forbes’ não pôde ser imediatamente contatada para comentar o assunto.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade