Clique e assine a partir de 9,90/mês

FMI vê espaço para BCE adotar política mais expansionista

Por Da Redação - 31 maio 2012, 13h09

BRUXELAS, 31 Mai (Reuters) – Alguns países da zona do euro que devem reduzir o déficit orçamentário para abaixo de 3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013 podem precisar de mais tempo e existe espaço para uma política mais expansionista do Banco Central Europeu (BCE), afirmou a vice-diretora-gerente do FMI, Nemat Shafik.

“No geral, planos de ajustes fiscais para este ano são amplamente apropriados na Europa”, disse Shafik em conferência em Bruxelas nesta quinta-feira.

“Em alguns países da zona do euro, entretanto, as metas fiscais nominais para 2013 acordadas antes da atual desaceleração no crescimento pode provar ser pró-cíclica demais e pode ser necessário que seja ajustado ou no mínima expressada em termos estruturais”, disse ela.

“O procedimento de déficit excessivo do Pacto de Crescimento e Estabilidade permite de fato alguma flexibilidade na decisão sobre a velocidade para levar os déficits para abaixo de 3 por cento do PIB. Se as condições econômicas piorarem, essa flexibilidade deve ser usada para revisar prazos de cumprimento das metas.”

Continua após a publicidade

Shafik afirmou que as metas de déficit devem ser expressadas em termos estruturais, o que exclui receitas não recorrentes e gastos, assim como os efeitos do ciclo econômico.

A política monetária teve um papel crucial em dar suporte ao crescimento no curto prazo, completou ela.

“Com a expectativa de redução das pressões de preços, isso significa que o Banco Central Europeu pode avaliar mais medidas expansionistas para impedir que a inflação agregada fique bem abaixo da meta de manter a inflação em ou abaixo 2 por cento”, disse ela.

A inflação em maio da zona do euro recuou para 2,4 por cento na comparação anual, ante 2,6 por cento em abril. O BCE quer manter a inflação abaixo, ou perto, de 2 por cento, e muitos economistas esperam que o crescimento dos preços desacelere a partir de maio porque a economia da zona do euro está em recessão.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Jan Strupczewski)

Publicidade