Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

FMI reduz previsão de crescimento do Brasil para 3% em 2012

Para o fundo, haverá arrefecimento nas economias emergentes. Economia global deve crescer 3,3% em 2012

Segundo o FMI, os problemas econômicos da zona do euro, a fragilidade nas demais economias avançadas e o arrefecimento da expansão nos emergentes ameaçam a recuperação global

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para 3% a previsão de crescimento do Brasil em 2012. No último prognóstico, em setembro, o fundo previa alta de 3,6% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. A projeção de crescimento para a economia mundial em 2012 também foi revisada para baixo, para 3,3%, ante 4%. Os dados estão no relatório Perspectivas Econômicas Mundiais, divulgado nesta terça-feira.

A previsão do FMI para o PIB do Brasil é ainda abaixo do prognóstico do mercado, de alta de 3,27% em 2012, segundo o último boletim Focus.

O relatório, que havia sido antecipado pela imprensa italiana na semana passada, afirma que “a economia global está desacelerando, mas não entrando em colapso”. De acordo com as previsões, o Brasil deve crescer 3% este ano e 4% em 2013.

A nova previsão global representa uma redução significativa em relação à última projeção, divulgada em setembro do ano passado, de 4%. Segundo o FMI, os problemas econômicos da zona do euro, a fragilidade nas demais economias avançadas e o arrefecimento da expansão nos emergentes ameaçam a recuperação global.

“O crescimento nas economias emergentes e em desenvolvimento também deve perder força, em consequência da piora no ambiente externo e um enfraquecimento da demanda interna”, diz o texto.

O fundo prevê que, juntas, as economias emergentes crescerão 5,4% este ano. A projeção de expansão para a China foi reduzida de 9% para 8,2%. Na Índia, caiu de 7,5% para 7%. O desafio das economias emergentes no curto prazo é “responder à moderação na demanda doméstica e à desaceleração da demanda externa das economias avançadas, e ao mesmo tempo lidar com os fluxos voláteis de capital”, diz o FMI.

Europa – Espanha e Itália são os países com a situação mais complicada. No caso da Espanha, o FMI revisou para baixo suas previsões para este ano e para o próximo, situando a economia espanhola durante esses dois anos em recessão, com uma contração de seu PIB de 1,7% e de 0,3%, respectivamente. Profunda também será, conforme o organismo, a recessão na Itália, com previsões de -2,2% em 2012 e de 0,6% em 2013.

O FMI prevê recessão para a zona do euro, região formada pelos 17 países que utilizam o euro como moeda, com queda de 0,5% no Produto Interno Bruto (PIB). A pior contração deve ser da Itália, de 2,2%, seguida da Espanha, de 1,7%. A previsão para o crescimento dos Estados Unidos foi mantida em 1,8%.

Economia americana estável – Os Estados Unidos mantêm as mesmas previsões de crescimento de 1,8% para 2012, mas o FMI revisou para baixo em três décimos a estimativa para o ano que vem. A previsão é que a economia da primeira potência mundial aumente 2,2%em 2013.

(Com agência Estado e Reuters)