Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Fluxo cambial fica negativo em US$ 2,058 bi em setembro

É o quarto mês consecutivo em que as saídas superaram as entradas de recursos no país

Por Da Redação - 9 out 2013, 16h07

O fluxo cambial ficou negativo em 2,058 bilhões de dólares em setembro, informou nesta quarta-feira o Banco Central (BC). Este foi o quarto mês consecutivo em que as saídas superam as entradas de recursos no país. Desde o início do ano, o fluxo só foi positivo nos meses de março (391 milhões), abril (3,515 bilhões) e maio (10,755 bilhões). Em todos os outros, a conta fechou no vermelho, com a maior saída verificada em agosto (5,850 bilhões) e a menor, em fevereiro (105 milhões). As operações financeiras responderam por uma entrada líquida de 2,988 bilhões de dólares no mês, diferença entre os 47,306 bilhões que entraram e os 44,318 bilhões que saíram.

No comércio exterior, o saldo foi negativo em 5,046 bilhões de dólares no período, com importações de 19,908 bilhões e exportações de 14,862 bilhões. Nestas últimas, estão incluídos 2,834 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), 3,541 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e 8,487 bilhões de outras entradas.

De acordo com os dados do BC, os bancos terminaram setembro vendidos em 6,511 bilhões de dólares. No final de agosto, estavam vendidos em 4,190 bilhões. Essa posição vendida no mercado de câmbio foi vista nos quatro primeiros meses de 2013, mas acabou revertida de maio a julho. No jargão financeiro, estar “comprado” significa expectativa de que a cotação do dólar pode subir. Isso porque, ao ter a moeda em caixa, é possível lucrar com uma eventual alta das cotações. Já estar “vendido” representa previsão de queda da moeda.

Leia também:

Publicidade

Governo quer mudar tática de intervenção no câmbio

BC anuncia leilões diários no mercado de câmbio até o fim do ano

Coutinho diz que não há crise cambial e que dólar a R$ 2,35 é positivo

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade