Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Financial Times levanta dúvida sobre dados do PIB e da economia brasileira

Revisões nas exportações não foram computadas pelo IBGE; falhas colocam em dúvida a confiabilidade dos números brasileiros, que eram modelo de transparência

Por Da Redação - Atualizado em 4 dez 2019, 11h17 - Publicado em 4 dez 2019, 10h54

O jornal britânico Financial Times levanta dúvidas sobre a divulgação de dados econômicos no Brasil. A reportagem com o título “Falha nos dados econômicos brasileiros desperta preocupações entre analistas” aponta que a revisão no resultado das exportações feitas pelo Ministério da Economia por causa de um erro na transmissão dos dados não foi incorporada no resultado do Produto Interno Bruto (PIB), anunciado na terça-feira, 3. Com isso, o resultado do crescimento do terceiro trimestre pode ser revisado pelo IBGE. O temor é de que as informações divulgadas oficialmente sobre o desempenho da economia, considerados modelo de transparência, podem não ser tão confiáveis quanto anteriormente.

Nas últimas semanas, o resultado da balança comercial foi revisado duas vezes pelo governo. O resultado foi originalmente divulgado como deficitário em 1,099 bilhão de dólares em 25 de novembro. Mas no dia 28 foi revisado para um superávit de 2,717 bilhões de dólares. De acordo com o governo, o erro aconteceu no cálculo das exportações que, antes da revisão, estavam em 9,681 bilhões de dólares. Com a mudança, elas passaram a ser de 13,498 bilhões de dólares na parcial de novembro. As importações não foram alteradas. Na última segunda-feira, o governo voltou a corrigir dados da balança comercial. Com a nova retificação, as exportações aumentaram em 6,488 bilhões de dólares em setembro, outubro e em novembro (até o dia 24) em relação ao anteriormente anunciado.  A justificativa foi uma falha no momento da transmissão de dados. 

O vai e vem das informações sobre importação mexeu com a cotação do dólar. No dia 25, a moeda bateu a marca de 4,22 reais, cotação recorde, e continuou subindo durante a semana. No dia 28, após a revisão, a cotação da moeda caiu e chegou a operar em baixa de 4,19, mas fechou na casa dos 4,22 reais. Na segunda-feira, após novas revisões, a moeda americana fechou em 4,21 reais e abriu a semana em queda.

Revisões

Como esses novos números de exportação não estão compilados no resultado do PIB do 3º trimestre (meses de julho, agosto e setembro), é provável que o IBGE retifique o resultado, o que pode culminar inclusive em um resultado melhor do crescimento da economia entre os meses de julho a setembro, já que houve queda nas exportações nos dados do PIB. A preocupação apontada pela reportagem é que as revisões seguidas em dados oficiais levantam a suspeita se os dados oficiais divulgados são confiáveis ou não.

Publicidade

Na quarta-feira, 4, o IBGE já havia divulgado uma retificação no crescimento da economia dos trimestres anteriores de 2019. O crescimento do segundo tri foi revisado de 0,4% para 0,5%. Já os dados dos meses de janeiro a março sofreram a segunda alteração desde que foram divulgados: ontem, o IBGE afirmou que o PIB no período apresentou estabilidade. Originalmente, o resultado divulgado havia sido de queda de 0,2% na atividade econômica e revisado para baixa de 0,1% junto com o PIB do 2º trimestre.

Publicidade